Tipos de Câncer

Câncer de Nasofaringe

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Radioterapia para Câncer de Nasofaringe

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/04/2013 - Data de atualização: 11/12/2018


O tratamento radioterápico utiliza radiações ionizantes para destruir ou inibir o crescimento das células anormais que formam um tumor. É geralmente parte do tratamento principal para o câncer de nasofaringe porque a maioria desses tumores é sensível às radiações.

Em muitos casos a quimioterapia é administrada em conjunto com a radioterapia para potencializar seus efeitos. Este tratamento, conhecido com quimiorradiação, pode ser mais eficaz do que realizar apenas a radioterapia de forma isolada, mas os efeitos colaterais são maiores.

A radioterapia é geralmente administrada tanto ao tumor principal como aos linfonodos próximos no pescoço. Mesmo que os linfonodos não estejam aumentados, a radioterapia é usada para o caso de disseminação das células cancerígenas.

As técnicas de radioterapia utilizadas no tratamento do câncer de nasofaringe são:

  • Radioterapia externa

A radioterapia externa ou radioterapia convencional é o tipo mais comum para tratar o câncer de nasofaringe. Este tratamento consiste em irradiar o órgão alvo com doses fracionadas. O tratamento é realizado cinco vezes na semana, durante um período de cerca de 7 semanas.

As principais técnicas radioterápicas utilizadas no tratamento dos tumores de nasofaringe são:

Radioterapia de intensidade modulada. A radioterapia de intensidade modulada IMRT permite a conformação da radiação para o contorno da área alvo e utiliza múltiplos feixes de radiação angulares e de intensidades não uniformes, possibilitando um tratamento concentrado na região do tumor. A IMRT permite isolar perfeitamente a área do tumor a ser tratada, possibilitando a utilização de uma alta dose de radiação no tumor alvo, com menor efeito sobre as células sadias, além de reduzir a toxicidade do tratamento. Com esta técnica é possível avaliar a distribuição de dose em todo o órgão alvo, reduzindo as áreas de alta dose e tornando a distribuição mais homogênea.

Radiocirurgia. A cirurgia estereotáxica ou radiocirurgia é outro meio de utilização da radioterapia para tratamento dos tumores de nasofaringe. Não é uma cirurgia propriamente dita, mas a aplicação precisa de radiação. O tecido normal, que fica em volta do tumor, recebe pouca ou nenhuma radiação. A técnica mais utilizada é conhecida como gamma knife, que utiliza um tipo de capacete especial, para manter a cabeça na posição certa para o tratamento. A localização do tumor é feita com o auxílio da tomografia computadorizada ou ressonância magnética. É um procedimento indolor, externo, que não provoca feridas ou risco de infecção. Durante o tratamento, o paciente permanece deitado, podendo ser utilizadas medicações para o relaxamento. A radiocirurgia estereotáxica normalmente libera a dose de radiação total em uma única sessão. Às vezes os médicos administram a dose fracionada, o que é denominado radiocirurgia fracionada ou radioterapia estereotáxica fracionada.

  • Braquiterapia

A braquiterapia, ao contrário da radioterapia que trata o órgão alvo com feixes de radiação externos (a longa distância), utiliza fontes de radiação interna (a curta distância). Na braquiterapia o material radioativo é colocado, por meio de instrumentos específicos, próximo à lesão tumoral. O implante ou semente é geralmente deixado no local por alguns dias, enquanto o paciente permanece em um quarto de hospital isolado. Uma vez terminado o tratamento o material é retirado do corpo. A braquiterapia pode ser utilizada se houver recidiva após a radioterapia externa. Ocasionalmente, a radioterapia externa e a braquiterapia são utilizadas em conjunto.

Efeitos colaterais da radioterapia

Os efeitos colaterais comuns da radioterapia de feixe externo na região da cabeça e pescoço podem incluir:

  • Alterações na pele.
  • Náuseas e vômitos.
  • Fadiga.
  • Feridas na boca.
  • Rouquidão.
  • Perda do paladar.

Muitos destes efeitos tendem a desaparecer dentro de algumas semanas após o término do tratamento. Outros podem não melhorar com o tempo, como danos aos ossos do crânio ou problemas de audição ou visão devido a danos causados em determinados nervos. Outros efeitos colaterais de longo prazo podem incluir:

  • Problemas dentários. A maioria dos médicos faz uma avaliação dentária antes do início da radioterapia da cabeça e pescoço. Em alguns casos, o dentista pode até indicar a remoção de alguns dentes antes do tratamento para diminuir a chance de problemas futuros.
  • Danos às glândulas salivares. Alguns dos danos às glândulas salivares podem ser reduzidos com a administração da medicação amifostina antes de cada tratamento.
  • Danos à glândula tireoide. Se a glândula tireoide for danificada, será necessário o uso de hormônios para substituir os produzidos pela tireoide após o tratamento.
  • Danos à glândula pituitária. Se a glândula pituitária, responsável por controlar a produção de muitos hormônios no organismo, for danificada será necessária a administração de alguns hormônios para substituir os que estão faltando.
  • Danos às artérias carótidas. As artérias carótidas, que são grandes vasos sanguíneos do pescoço e levam o sangue para o cérebro, às vezes após a radioterapia podem estreitar aumentando o risco de AVC.

É importante discutir os possíveis efeitos colaterais da radioterapia com seu médico antes de iniciar o tratamento. Também certifique-se de que tudo está sendo feito para tentar limitar esses efeitos o máximo possível.

Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Radioterapia.

Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.

Fonte: American Cancer Society (24/09/2018)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive