Tipos de Câncer

Câncer de Pele Melanoma

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier Viatris


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quimioterapia para Câncer de Pele Melanoma

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/08/2015 - Data de atualização: 13/05/2020


Quimioterapia é o uso de medicamentos para destruir as células cancerígenas. A quimioterapia sistêmica é administrada por via venosa ou oral, tendo como alvo as células cancerígenas do corpo.

A quimioterapia pode ser utilizada para tratar o melanoma avançado, mas não é frequentemente administrada como o primeiro tratamento, porque as formas mais recentes de imunoterapia e terapia alvo geralmente são mais eficazes. A quimioterapia geralmente não é tão eficaz para o melanoma como para alguns outros tipos de câncer, mas pode reduzir o tamanho de tumores em alguns pacientes.

Vários medicamentos  quimioterápicos podem ser utilizados no tratamento do câncer de pele melanoma:

  • Dacarbazina.
  • Temozolomida.
  • Nab-paclitaxel.
  • Paclitaxel.
  • Cisplatina.
  • Carboplatina.

Alguns desses medicamentos são administrados isoladamente, enquanto outros são frequentemente combinados com outros fármacos. Não está claro se o uso de combinações de determinados medicamentos é mais útil do que usar um único medicamento, mas pode aumentar os efeitos colaterais.

A quimioterapia é administrada em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso, para permitir que o corpo possa se recuperar. Cada ciclo de quimioterapia dura em geral algumas semanas.

Perfusão isolada de membro. É um tipo de quimioterapia utilizada, ocasionalmente, para tratar melanomas confinados a um braço ou a uma perna, que não pode ser removido cirurgicamente. O objetivo dessa técnica é manter a quimioterapia no membro, não permitindo que atinja outras partes do corpo para não provocar maiores efeitos colaterais.

Isso é realizado durante um procedimento cirúrgico. O fluxo de sangue do braço ou perna é isolado e uma dose elevada de quimioterapia é injetada diretamente no membro afetado num curto período de tempo.

Esse procedimento implica na colocação de um cateter na artéria que transporta o sangue para o membro, e um segundo cateter é colocado na veia que drena o sangue a partir dele. Um torniquete é acionado em torno do membro para garantir que a quimioterapia não passe para o resto do corpo.

Possíveis efeitos colaterais

Os medicamentos quimioterápicos podem provocar efeitos colaterais que dependem do tipo de medicamento utilizado, da dose administrada e do tempo de tratamento, podendo incluir:

  • Perda de cabelo.
  • Inflamação na boca.
  • Perda de apetite.
  • Náuseas e vômitos.
  • Diarreia ou constipação.
  • Aumento do risco de infecção, devido a diminuição dos glóbulos brancos.
  • Hemorragias e hematomas, devido a diminuição das plaquetas.
  • Fadiga, devido a diminuição dos glóbulos vermelhos.

A maioria destes efeitos colaterais é de curto prazo e geralmente tendem a desaparecer ao término do tratamento. No entanto, mantenha o médico informado sobre qualquer sintoma, pois a maioria desses efeitos pode ser gerenciada de forma eficaz.

Alguns medicamentos quimioterápicos podem apresentar outros efeitos colaterais, como por exemplo, provocar neuropatia, levando a sintomas como dor, sensação de queimação ou formigamento, sensibilidade ao frio ou calor ou fraqueza. Geralmente desaparece quando o tratamento é interrompido, mas para alguns pacientes pode durar mais tempo.

Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Quimioterapia.

Para saber se o medicamento que você está usando está aprovado pela ANVISA acesse nosso conteúdo sobre Medicamentos ANVISA.

Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 14/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2023 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive