Tipos de Câncer

Câncer de Cavidade Nasal e Seios Paranasais

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quimioterapia para câncer de cavidade nasal e seios paranasais

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/10/2015 - Data de atualização: 16/07/2021


A quimioterapia utiliza medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais. Por ser um tratamento sistêmico, atinge não somente as células cancerígenas, mas também as células sadias do organismo. De forma geral, a quimioterapia é administrada por via venosa, embora alguns quimioterápicos possam ser administrados por via oral.

A quimioterapia pode ser administrada em diferentes situações no tratamento do câncer de cavidade nasal e seios paranasais:

  • Quimioterapia neoadjuvante. Administrada antes da cirurgia, às vezes, junto com a radioterapia para reduzir o tamanho do tumor antes do procedimento cirúrgico, o que pode preservar e evitar danos as estruturas próximas a um órgão importante.
  • Quimioterapia adjuvante. Administrada após a cirurgia, muitas vezes, junto com a radioterapia, para reduzir a chance de recidiva.
  • Tratamento principal. Geralmente administrada junto com a radioterapia (quimiorradiação) para tumores grandes ou disseminados. Também pode ser administrada como o principal tratamento para pacientes sem condições físicas para a cirurgia ou mesmo que não querem fazer a cirurgia.
  • Doença metastática. Para controlar a disseminação da doença que não pode ser tratada com cirurgia ou radioterapia.

A quimioterapia é administrada em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um de descanso, para permitir que o corpo possa se recuperar. Cada ciclo de quimioterapia dura em geral algumas semanas.

Os tipos mais frequentes de câncer de cavidade nasal e seios paranasais, o carcinoma de células espinocelular, o adenocarcinoma e o carcinoma adenoide cístico podem ser agrupados como carcinomas. Alguns dos medicamentos utilizados no tratamento quimioterápico dos carcinomas incluem:

  • Cisplatina.
  • Carboplatina.
  • 5-fluorouracil.
  • Docetaxel.
  • Paclitaxel.
  • Metotrexato.
  • Capecitabina.

Os medicamentos quimioterápicos utilizados dependem de vários fatores, como tipo de câncer, extensão da doença, estado de saúde geral do paciente e se a quimioterapia é administrada junto com a radioterapia. Cisplatina ou carboplatina isolada ou, às vezes combinada com 5-FU, é medicamento quimioterápico mais usado, mas outras combinações estão disponíveis. Para pacientes que não toleram a quimioterapia, o cetuximabe é administrado com a radioterapia.

Possíveis efeitos colaterais

Os quimioterápicos não só atacam as células cancerosas, mas também algumas células normais, o que pode levar a efeitos colaterais. Mas outras células do corpo, como as da medula óssea, revestimento da boca, dos intestinos e os folículos pilosos, também se dividem rapidamente. Essas células também podem ser afetadas pela quimioterapia, levando a efeitos colaterais.

Os efeitos colaterais dependem do tipo de medicamento, da dose administrada e da duração do tratamento. Os efeitos colaterais comuns à maioria das drogas quimioterápicas podem incluir:

  • Náuseas e vômitos.
  • Perda de apetite.
  • Perda de cabelo.
  • Feridas na boca.
  • Diarreia.
  • Alterações na pele.
  • Infecção, devido a diminuição dos glóbulos brancos.
  • Hemorragia e hematomas, devido a diminuição das plaquetas.
  • Fadiga, devido a diminuição dos glóbulos vermelhos.

A maioria dos efeitos colaterais, geralmente, é de curto prazo e desaparece após o término do tratamento. Caso aconteçam efeitos colaterais importantes, a quimioterapia pode ter que ser reduzida ou suspensa por um período.

Entretanto, alguns efeitos colaterais podem persistir por algum tempo após o término do tratamento. Por exemplo, a cisplatina, docetaxel e o paclitaxel podem provocar danos nos nervos (neuropatia), o que pode provocar dormência, formigamento ou até mesmo dor nas mãos e pés. Também pode se desenvolver a síndrome mão-pé durante o tratamento com capecitabina ou 5-FU, que pode começar como vermelhidão nas mãos e pés e, progredir para dor e sensibilidade nas palmas e plantas dos pés. Esses sintomas geralmente melhoram com a interrupção do medicamento, mas podem não desaparecer completamente.

Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Quimioterapia.

Para saber se o medicamento que você está usando está aprovado pela ANVISA acesse nosso conteúdo sobre Medicamentos ANVISA.

Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 19/04/2021, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive