Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quimioterapia oral promove nova discussão no Senado e deve ser votada em 2012

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/05/2013 - Data de atualização: 15/05/2013


Instituto Oncoguia, associações médicas e oncologistas defendem a cobertura básica dos planos de saúde para a forma oral de tratamento contra o câncer.

O Projeto de Lei (PLS 352/11) da Senadora Ana Amélia (PP/RS), que objetiva alterar a Lei dos Planos e Seguros de Saúde, foi objeto de audiência pública promovida pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal. No texto, a Senadora propõe a inclusão de tratamento antineoplásico de uso oral domiciliar na cobertura básica obrigatória dos planos de saúde.

O Instituto Oncoguia, organização não-governamental dedicada à promoção do acesso ao cidadão brasileiro à informação, prevenção, diagnóstico e tratamento, a fim de acabar com o preconceito, o sofrimento e as mortes causadas pelo câncer, participou da audiência pública representado por sua presidente, Luciana Holtz.

A inclusão da cobertura da quimioterapia oral pelos planos de saúde é considerada pelos oncologistas, associações médicas e pacientes uma evolução no tratamento do câncer. A medicação via oral é vista por especialistas como uma terapia eficiente, que causa menos efeitos colaterais e deixa o paciente com mais disposição para as atividades cotidianas.

A autora do projeto de lei, Senadora Ana Amélia, afirma que a quimio oral pode baratear custos, uma vez que o paciente pode realizar o tratamento em casa, o que implica em menos gastos para os hospitais. A Senadora consolidou proferindo que a votação do projeto deve acontecer em 2012.

Para Luciana Holtz, a legislação precisa ser atualizada. Há uma discrepância entre o desenvolvimento da medicina e a legislação que rege a incorporação de tecnologias nos planos de saúde. A presidente do Instituto Oncoguia afirma que uma pessoa que paga plano de saúde durante anos tem o direito de receber o melhor tratamento possível. A realidade hoje de um paciente que paga o seguro saúde é de recorrer ao SUS, muitas vezes por meio de da Justiça, para ter acesso à quimioterapia oral, completa.

Luciana apresentou levantamento realizado pelo Instituto Oncoguia, apontando que, somente neste ano (2011), o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo analisou 83 ações judiciais contra planos de saúde envolvendo a cobertura de antineoplásicos de uso oral em domicílio, das quais 100% foram favoráveis aos pacientes. Isso mostra que própria Justiça tem interpretado a lei dos planos de saúde considerando a realidade atual e o avanço da medicina. Ela ainda citou que um estudo apresentado em um importante congresso europeu, apontando que a inclusão da quimioterapia oral nos planos de saúde acarretaria em um aumento de apenas R$ 0,50 centavos a mais na conta do usuário.

Para a gerente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Martha Regina de Oliveira, presente na plenária, saber aproveitar a tecnologia que está surgindo contra o câncer é um benefício que deve ser empregado. Martha defendeu que a incorporação de tecnologia é mais rápida nos planos de saúde que no SUS, e destacou que é preciso garantir segurança e transparência para os pacientes.

O diretor clínico do Instituto do Câncer de São Paulo (ICESP) o oncologista Paulo Hoff, disse durante a audiência, que novas drogas orais vêm sendo desenvolvidas pela indústria farmacêutica. O médico alerta que, atualmente, há aproximadamente 800 moléculas que estão sendo investigadas, e que, em sua maioria, pode ser facilmente administrada oralmente. Ele ressaltou o alto custo do tratamento e afirmou que um cidadão comum não tem condições financeiras para assumir uma terapia oral, que pode custar mais de R$ 10 mil por mês. Hoff alerta para o envelhecimento da população e do aumento da incidência do câncer no Brasil. Segundo ele, haverá cada vez mais pacientes sendo tratados em casa.

Participaram da audiência pública (PLS 352/11) a Senadora Ana Amélia (PP/RS), o Senador Waldemir Moka (PMDB-MS) - relator do projeto, a gerente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Martha Regina de Oliveira, o diretor clínico do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), Paulo Hoff, a presidente do Instituto Oncoguia, Luciana Holtz de Camargo Barros, Dr. Florentino Cardoso, presidente da Associação Médica Brasileira, o presidente da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (ABRAMGE), Arlindo de Almeida.

Oncoguia

Fundado em 2009, em São Paulo, o Instituto Oncoguia tem a missão de promover o acesso ao cidadão brasileiro à informação, prevenção, diagnóstico e tratamento, a fim de acabar com o preconceito, o sofrimento e as mortes causadas pelo câncer.

O Núcleo de Defesa e Cidadania Ativa (Advocacy) do Oncoguia se propõe a ampliar e garantir o acesso do paciente com câncer aos seus direitos, com informações sobre leis de auxílio doença, aposentadoria, medicamentos gratuitos e aposentadoria por invalidez, assim como ampliar a participação popular no planejamento e controle de políticas públicas; o Núcleo de Assistência e Suporte garante o acesso a ações e serviços de promoção, proteção e recuperação da saúde focando no diagnóstico exato e eficiente e no tratamento digno e de qualidade e o Núcleo de Educação em Saúde compromete-se a disponibilizar informações de qualidade para o paciente, seus familiares e população em geral, sobre cuidados com a saúde, prevenção, bem estar da pessoa com câncer, tratamentos etc.

Fonte: REVISTA FATOR / ONLINE

Data da publicação: 31/12/2011


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive