Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quimioterapia em spray é nova estratégia contra o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 21/11/2018 - Data de atualização: 21/11/2018


Câncer no peritônio: os principais sintomas são dores e inchaço no abdômen (//iStock)

Um procedimento experimental contra o câncer pode ser uma nova aposta para o tratamento da doença. A técnica consiste em “borrifar” a quimioterapia diretamente no tumor, como um aerossol. A quimioterapia em spray é realizada por meio de uma cirurgia minimamente invasiva e causa menos efeitos colaterais ao paciente, já que age somente no local do tumor – e não é injetada diretamente na corrente sanguínea, quando ataca as células saudáveis. Por enquanto, a abordagem é indicada somente para o tratamento de pessoas com um tipo raro de câncer, o de peritônio, uma membrana que reveste a parte interna da cavidade abdominal e os órgãos como o estômago, intestino, bexiga e útero.

“Até o início dos anos 80 não havia qualquer expectativa de cura para o paciente com carcinomatose peritoneal que, na maioria dos casos, evoluía para o óbito em decorrência de complicações como a obstrução intestinal”, explica Arnaldo Urbano Ruiz, cirurgião oncológico do Hospital BP Mirante, em São Paulo. “Hoje, com o surgimento de outras técnicas, temos visto uma mudança, com possibilidades de aumento de sobrevida e melhor qualidade de vida”, completa.

Esse tipo de câncer evolui de forma silenciosa. Isso porque os sintomas são inespecíficos e difíceis de identificar. Quando os sinais tornam-se mais evidentes, geralmente, a doença já está em estágio avançado. Os principais sintomas são dores e inchaço no abdômen, que ocorre devido ao acúmulo de líquido no local.

O tratamento

O novo procedimento é conhecido como Pipac e pode ajudar cerca de 20% dos pacientes com esse tipo de tumor. Antes da aplicação da terapia, o doente precisa passar por algumas etapas. Primeiro, é submetido a laparoscopia, uma cirurgia minimamente invasiva em que o médico acessa a cavidade abdominal a partir do uso de pinças. O segundo passo é a retirada de um fragmento do tumor para a realização de biópsia. O material é analisado para que seja determinado em qual estágio o tumor está. Os médicos então aplicam o spray do quimioterápico diretamente no tumor. Ele penetra mais profundamente nos tecidos, agindo nas células tumorais. O Pipac tem o potencial de reduzir o tamanho do tumor. Além de melhorar a qualidade de vida, o procedimento pode abrir caminho para que o paciente faça uma cirurgia radical no futuro.

“Antigamente, esses pacientes seriam submetidos a uma quimioterapia paliativa e sem chances de melhora. A nova estratégia é uma alternativa para eles”, diz o cirurgião Arnaldo Urbano Ruiz

O Brasil tem entre 15.000 e 20.000 novos casos por ano. A carcinomatose peritoneal não é exatamente um tumor. “Na realidade, trata-se da disseminação de um tumor que normalmente nasce em outro órgão do corpo — e não necessariamente na região do abdome, na cavidade peritoneal”, aponta Ruiz. Geralmente, os casos mais comuns de carcinoma peritoneal ocorrem a partir de um tumor primário de ovário, apêndice, intestino, pâncreas ou estômago. Até agora, cerca de 10 pacientes já se beneficiaram da técnica no Brasil. O procedimento começou a ser realizado em 2017, em Porto Alegre.

Fonte: Veja

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive