Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Quimio oral poderá ter inclusão automática ao rol da ANS

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 11/12/2019 - Data de atualização: 11/12/2019


O que houve?

O senador Reguffe (Podemos-DF) apresentou o Projeto de Lei n° 6.330/19, para ampliar o acesso a tratamentos antineoplásicos domiciliares de uso oral pelos usuários de planos de assistência à saúde. A matéria tramita na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal.

O projeto faz alteração na Lei n° 9.656/98, sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde. O objetivo é tornar obrigatória a cobertura de tratamentos antineoplásicos domiciliares de uso oral, em conformidade com a prescrição médica, desde que os medicamentos utilizados estejam registrados no órgão federal responsável pela vigilância sanitária, com uso terapêutico aprovado para essas finalidades.

Em sua justificativa, o senador destacou a Lei nº 12.880/13, que incluiu tratamentos antineoplásicos ambulatoriais e domiciliares de uso oral, procedimentos radioterápicos para tratamento de câncer e hemoterapia entre as coberturas obrigatórias dos planos privados de assistência à saúde.
 
Apesar da existência da lei, o acesso de pacientes que têm planos de saúde a esses tratamentos ainda é dificultoso. Isso ocorre porque, para utilizar os medicamentos antineoplásicos orais para uso domiciliar, existe a necessidade de respeitar as condições estipuladas nas Diretrizes de Utilização, estabelecidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Além disso,  o paciente só tem acesso ao medicamento quando ele é aprovado pela Anvisa, e integre o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde estabelecido pela ANS, o qual só é atualizado a cada dois anos.
 
Reguffe destacou que o ex-presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Sérgio Simon, afirmou que se a medicação de via oral está aprovada pela Anvisa, não tem sentido o paciente esperar dois anos pela atualização do rol e ainda tem o risco da medicação que ele precisa não entrar na lista.
 
Para o senador Reguffe, é necessário agilizar o tratamento das pessoas com câncer e promover o acesso aos antineoplásicos orais, porque a doença não espera.
 
E agora?


A matéria aguarda recebimento de emendas na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do dia 11/12/2019 ao dia 17/12/2019.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive