Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Publicada MP sobre complementação de renda durante pandemia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/04/2020 - Data de atualização: 02/04/2020


O que houve?

O Poder executivo publicou, nesta quarta-feira (1), Medida Provisória que cria o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e dispõe sobre medidas trabalhistas complementares para enfrentamento do Coronavírus. A MP n° 936/20 permite redução salarial de até 70%, com diminuição da jornada de trabalho, ou suspensão total dos contratos.

Segundo a equipe econômica do governo, a medida deve atingir 24,5 milhões de trabalhadores e evitar a demissão de 8,5 milhões. A compensação de renda terá como base o seguro-desemprego e ficará em vigor durante o estado de calamidade pública. As empresas que adotarem o regime não poderão demitir os trabalhadores durante o período de redução e, após o restabelecimento da jornada, por período equivalente ao da redução. A medida irá custar R$ 51 bilhões para os cofres públicos.

Caso o empregador opte por se beneficiar da medida, tem o prazo de 10 dias para informar os órgãos competentes. Segundo o texto, desde que o acordo seja informado dentro do prazo, a primeira parcela será paga em até trinta dias. No caso de não observância do prazo, o empregador será responsável pelo pagamento da remuneração, inclusive dos respectivos encargos sociais, até que a informação seja prestada.

A proposta estabelece que as reduções de jornada poderão ser de 25%, 50% ou de 70%. Para os trabalhadores que recebem até um salário mínimo, o governo vai complementar o salário do trabalhador até o valor integral. Os que ganham acima de um salário mínimo, o benefício terá como base de cálculo o valor mensal do seguro-desemprego a que o empregado teria direito se fosse demitido. Ou seja, no caso de redução em 25%, o trabalhador irá receber 25% do valor do que seria o seu seguro-desemprego. A mesma lógica vale para as jornadas reduzidas em 50% e 70%. Atualmente, o valor do seguro desemprego vai de R$ 1.045 a R$ 1.813,03.

A MP determina que a redução da jornada e salário precisa ser acordada entre as partes e define critérios para as negociações entre empregador e empregado. Para remuneração menor que três salários mínimos (ou seja, até R$ 3.135), a negociação pode ser individual ou coletiva. Para a faixa intermediária de R$ 3.135 até o valor de dois tetos do INSS (12.202,12), o acordo tem que ser coletivo. Para salários acima de R$ 12.202,12, o acordo pode ser individual, como já está previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). 

A proposta possibilita também a redução de jornadas em faixas diferentes das pré-estabelecidas, desde que sejam acordadas coletivamente. Nesse caso, o benefício não será pago para reduções menores que 25% do salário. No caso redução igual ou maior que 25% e menor que 50%, o benefício será repassado no valor de 25% do seguro desemprego. Para redução igual ou maior que 50% e menor que 70%, o governo irá arcar com benefício no valor de 50% do seguro desemprego. Já para redução igual ou superior a 70%, o repasse será no valor de 70% do seguro desemprego.

Caso a empresa opte pela suspensão temporária do contrato de trabalho, o trabalhador receberá o valor integral do seguro-desemprego. O empregador continuará obrigado a fornecer os benefícios voluntários, como auxílio-alimentação e plano de saúde. Empresas com receita bruta anual de até R$ 4,8 milhões estão autorizadas a suspender o salário de todos os empregados. Já as empresas que faturam acima desse valor, devem arcar com, pelo menos, 30% dos salários, cabendo ao governo repassar os 70% que restam (tendo como base o valor do seguro desemprego).

Mesmo que o trabalhador receba o auxílio emergencial, continuará tendo direito ao seguro-desemprego no caso de demissão futura, não tendo nenhum tipo de desconto no benefício. 

E agora?

A MP já está em vigor, mas, para se tornar definitiva, precisa ser aprovada pelo Congresso em um prazo de 120 dias. O texto será analisado e votado pelos Plenários da Câmara e do Senado.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive