Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Propostas de atenção a pacientes de câncer de mama marcam dia de luta contra a doença

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/11/2020 - Data de atualização: 30/11/2020


O dia 27 de novembro é o Dia Nacional de Luta contra o Câncer de Mama. A data foi estabelecida pela Lei 12.116, de 2009, aprovada pelo Congresso Nacional. A mais recente previsão de incidência de casos, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), é de 51,29 para cada 100 mil mulheres. Para 2021, a estimativa do Inca é de 66 mil novos casos.

Entre os projetos em análise no Senado para facilitar o atendimento a essas mulheres, os senadores propõem avanços na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS), na redução dos prazos para realização de exames e tratamento, e no financiamento de hospitais especializados.

Neste ano, a pandemia da covid-19 tem desestimulado as pessoas a procurar os serviços de saúde. Todos os serviços de diagnóstico sofreram uma redução drástica no número de pacientes, e o atraso na descoberta da doença pode reduzir as chances de cura.

A senadora Zenaide Maia (Pros-RN), que é médica, orienta as mulheres a buscar os serviços de saúde pública mesmo durante a pandemia. Ela cobra a regulamentação da Lei 13.896, de 2019, que fixa o prazo de 30 dias para a realização de exames pelo SUS em pacientes com suspeita de câncer.

— Tem pacientes que esperam até 200 dias, de acordo com auditoria feita pelo TCU [Tribunal de Contas da União]. Quase um ano. É muito tempo para quem está com uma doença potencialmente fatal. No entanto, a regulamentação da lei, que deveria ter saído até o final de abril, ainda não foi feita pelo Ministério da Saúde — alertou.

Tratamento
Entre as propostas analisadas no Senado para melhorar o atendimento às mulheres com a doença está o projeto do senador Reguffe (Podemos-DF) que determina o prazo de início do tratamento de câncer para 45 dias após o diagnóstico por meio de laudo patológico ou exame de imagem (PL 3.740/2019).

Para resolver o problema da demora excessiva na confirmação da doença, a proposta reduz o período previsto na chamada “Lei dos 60 dias”, como é popularmente conhecida a Lei 12.732, de 2012, para o primeiro tratamento no SUS do paciente com neoplasia maligna (câncer).

“A abreviação desse prazo em 15 dias certamente será crucial no tratamento de milhares de pessoas, podendo significar, ao fim, a diferença entre o sucesso ou não da batalha pela vida”, ressaltou Reguffe.

Outra proposta, o PL 6.554/2019, estabelece atenção integral à mulher na prevenção dos cânceres do colo uterino, de mama e colorretal. O projeto é um substitutivo da Câmara ao PLS 374/2014, da ex-senadora Vanessa Grazziotin.

Prótese
O senador Flávio Arns (Podemos-PR) é o relator do PL 2.113/2019, projeto da deputada Laura Carneiro (MDB-RJ), que regulariza a realização da reconstrução mamária em pacientes que sofreram mutilação de mama decorrente de tratamento de câncer.

Em seu parecer, Flávio Arns destacou que a mastoplastia, procedimento para dar simetria aos seios e reconstruir mamilos, já está determinada na Lei 13.770, de 2018, que instituiu as mesmas mudanças previstas no projeto enviado pela Câmara.

Dessa forma, o senador apresentou um substitutivo ao texto original da proposta para tornar obrigatória a substituição das próteses mamárias de silicone, caso seja necessário.

“Restou negligenciada uma questão muito importante: se a reconstrução da mama é feita com a utilização de implante mamário — prótese de silicone ou expansor —, é necessário prever o direito da paciente ao procedimento cirúrgico para trocar o dispositivo sempre que ocorrerem complicações ou efeitos adversos a ele relacionados”, explicou.

Recursos
Projeto do senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), destina 10% da receita arrecadada com as multas de trânsito ao financiamento de hospitais especializados em tratamento de câncer no âmbito do SUS.

Na justificativa da proposta, o senador apontou dados da IQVIA, Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) e Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma). A pesquisa revela que, embora o setor de saúde suplementar seja responsável pela cobertura de apenas cerca de 24% da população, a análise de despesas com o tratamento do câncer em 2017 mostra que 77% delas provêm do setor de saúde suplementar, enquanto apenas 23% dos gastos são originados do SUS.

“Esse dado por si só atesta que a rede pública para atendimento de pacientes com câncer está sendo subfinanciada. E essa falta de recursos se reflete no atendimento precário e insuficiente recebido pela população que dela faz uso. É de extrema necessidade que o tratamento das pessoas com câncer ocorra tempestivamente, porque a doença não espera”, concluiu Kajuru.

Fonte: Senado Notícias

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive