Espaço do

Paciente

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Processo de incorporação de tecnologias na Saúde Suplementar

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/02/2021 - Data de atualização: 03/02/2021


Nível de atuação. Federal

O que é o processo de ATS?

Como já falado anteriormente, a Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) é um processo de investigação das consequências clínicas, econômicas e sociais da utilização das tecnologias em saúde.

No entanto, o processo de ATS na Saúde Suplementar obedecem regras distintas do processo de ATS no SUS, por envolver análises de impacto orçamentário e econômico de fontes diferentes de custeio.

Na Saúde Suplementar, ocorre o que chamamos de processo de atualização da cobertura mínima obrigatória dos planos de saúde, ou seja, processo de revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde.

Esta revisão é feita periodicamente pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), com etapas e fluxos previamente definidos, dispostos na  Resolução Normativa nº 439/18, que estabelece todo  esse processo.

Mas, assim como ocorre no processo de ATS no SUS, na Saúde Suplementar também é considerada a Participação social.

Uma das principais novidades trazidas pela Resolução Normativa nº 439/18 é a ampliação da participação social no pleito por incorporações.

Isso é feito por meio de um formulário específico, o FormRol, que é disponibilizado no portal da ANS, para toda a sociedade, sempre no início dos ciclos de atualização do Rol.

Até então, as demandas de alteração do Rol eram encaminhadas apenas pelos membros do Comitê Permanente de Regulação da Atenção à Saúde - Cosaúde.

Agora, toda a sociedade poderá participar em dois momentos: na fase inicial, mediante submissão de proposta de atualização do Rol, e, posteriormente, na habitual consulta pública que precede a publicação da nova lista de coberturas obrigatórias.

Vale destacar que a análise das propostas é respaldada por estudos realizados por técnicos da ANS ou por entidades públicas ou privadas, por meio de acordos de cooperação técnica.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive