Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Prevenção e diagnóstico precoces do câncer não devem ser abandonados na pandemia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/07/2020 - Data de atualização: 22/07/2020


Em 2019, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) divulgou um dado preocupante: seis a cada 10 pacientes com câncer de cabeça e pescoço atendidos no Icesp foram diagnosticados em estado avançado da doença. A diferença na possibilidade de cura entre um tumor que foi observado logo em seu início e um tumor diagnosticado em seu estado avançado é imensa. Enquanto tumores precoces têm uma taxa que pode chegar a 90% de cura, os avançados chegam a apenas 40%.

A pergunta que fica é se esses números podem aumentar, considerando o ano de 2020 e todo seu contexto pandêmico, já que a procura por médicos diminui de acordo que o medo de ir aos hospitais aumenta. Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, o médico Marco Aurélio Kulcsar, Chefe do Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Icesp, comenta que a probabilidade é que aumente o número da relação divulgada ano passado e isso implica diretamente na relação de sobrevivência do paciente, o período que ele ou ela vive sem a doença após o tratamento. “O Instituto do Câncer tem toda uma estrutura para o paciente quando ele chega a nós. Para entrar dentro do Instituto, a temperatura é medida, além de fazer um questionário. Você está tossindo, esta com o nariz escorrendo, teve dor no corpo? Com isso, você consegue triar para uma área que a gente chama de agravo, que são aqueles pacientes que tem suspeita de uma doença gripal”, explica Kulcsar sobre as medidas sanitárias que o Icesp tomou com relação ao coronavírus.

O médico comenta que o encaminhamento dos pacientes acontece a partir de uma biópsia feita nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou centros de especialista. Essas unidades se mostram importantes em um primeiro momento, já que nesses locais a devida atenção em busca de um diagnóstico preciso é dada, pois o próprio Icesp repassa as recomendações para os especialistas que trabalham nessas unidades básicas.

A partir do diagnóstico, por exemplo, do câncer de cabeça e pescoço, chega o momento de optar pelo melhor tratamento. Kulcsar cita que o tratamento oncológico mudou muito ao longo do tempo, mas tumores pequenos de cabeça e pescoço são geralmente tratados com cirurgia; em contrapartida, tumores grandes demandam radioterapia associada com quimioterapia, além do processo cirúrgico.

O câncer de cabeça e pescoço mais comum é o carcinoma de células escamosas, que é causado principalmente devido ao uso de cigarro, alterando as propriedades das células. Outro tumor comum no mundo, mas nem tanto no Brasil, é o tumor causado pelo papilomavírus humano, o HPV (doença sexualmente transmissível). Esse tumor acomete indivíduos mais jovens e precisa de menos tempo para se transformar em câncer.

Fonte: Jornal da USP

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive