Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Precisamos falar sobre sexo em meio ao câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/10/2018 - Data de atualização: 24/10/2018


A sexualidade não pode ser um tabu, ainda mais durante o câncer de mama (Ilustração: CSA-Images/iStock)

A sexualidade durante o tratamento do câncer de mama é discutida há anos em diversos países, mas no Brasil muita gente ainda a encara como tabu. O tema quase nunca é abordado pelos oncologistas. Tampouco vem à tona entre os casais que enfrentam a doença. Nem os programas femininos da TV brasileira dão espaço a ele: consideram assunto muito forte para o horário.

A Organização Mundial da Saúde reconhece o impacto da vida sexual no bem-estar das pacientes com câncer e na preservação de seus relacionamentos. Criou-se, inclusive, um termo para isso: oncosexualidade.

De acordo com o psiquiatra Paul Enzlin, da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, essa noção faz parte de uma evolução positiva que tirou o foco da oncologia na sobrevivência e o colocou na melhora da qualidade de vida de quem se trata do problema.

Enzlin acredita que orientações e cuidados com a sexualidade da mulher ainda são negligenciados nesse contexto. E revela que entre 35 e 50% das sobreviventes de um câncer sofrem com alguma disfunção sexual. A falta de desejo, por exemplo, pode ser efeito colateral da quimioterapia, assim como queda de cabelo, alteração de humor, secura vaginal e ondas de calor.

Referência corporal e símbolo da fertilidade, a mama é também fonte de prazer. Com a notícia do diagnóstico, a mulher passa a se sentir menos atraente e a questionar o sentimento do parceiro. Sem contar que os procedimentos podem influenciar a autoestima e a sensibilidade nas mamas. Cabe notar, porém, que a cirurgia ou a radiação não provocam diminuição do prazer sexual.

Nessas circunstâncias, o acompanhamento com vários profissionais (médico, psicólogo, educador físico…) é fundamental. Existem estratégias a serem indicadas para driblar os reveses do tratamento: lubrificantes adequados para minimizar a secura vaginal, laser local para estimular a produção de colágeno, perucas, sutiãs com enchimento, tops de renda…

Durante essa fase, a mulher poderá redescobrir sua intimidade e mudar a forma como se relaciona com o parceiro. Abraços, toques e carinhos passam a ser protagonistas da história. E, sim, é possível ter prazer durante o tratamento — lembrando que muitas chateações, como a queda na libido, vão embora depois.

Derrubar tabus e sensibilizar pacientes e profissionais para dar a devida atenção à vida sexual constitui uma medida urgente e essencial para resgatar ou garantir qualidade de vida e felicidade diante do câncer de mama.

*Valéria Baraccat Gyy é jornalista e psicóloga, idealizadora e diretora do Instituto Arte de Viver Bem, de apoio a mulheres com câncer de mama, em São Paulo.

Fonte: Saúde é Vital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive