Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Por que a oncologia é um braço da geriatria

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/11/2019 - Data de atualização: 26/11/2019


O médico Stuart Lichtman, autor do artigo “Todos os oncologistas são oncologistas geriátricos... Eles apenas ainda não sabem disso” — Foto: Divulgação

Quando se trata de câncer, a idade é um fator de risco não modificável: traduzindo em números, acima dos 65 anos, a chance de ser diagnosticado com a doença aumenta 11 vezes. Em palestra proferida no VII Congresso Internacional de Oncologia Rede D´Or, realizado semana passada no Rio de Janeiro, o geriatra José Elias Soares Pinheiro, ex-presidente da SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia), enfatizou que, de todos os casos de câncer no mundo, 70% ocorrem em pessoas idosas. “Entre 60 e 79 anos, um em cada quatro homens vai desenvolver uma doença neoplásica. Entre as mulheres, uma em cada três, o que reforça a necessidade urgente de mudanças nas políticas públicas voltadas para a prevenção e o diagnóstico precoce, já que mais de 70% dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde”, afirmou.

Apenas lembrando que, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Brasil tem 30 milhões de idosos, isto é, gente com mais de 60 anos. Acima dos 80, são 4 milhões – e há quase 30 mil centenários! No entanto, apesar da prevalência do câncer entre os mais velhos, eles não são o foco nas especialidades que compõem a oncologia. Daí a importância do artigo “Todos os oncologistas são oncologistas geriátricos... Eles apenas ainda não sabem disso” (“All oncologists are geriatric oncologists... They just don´t know it yet”), do médico Stuart Lichtman, do Memorial Sloan Kettering Cancer Center.

O oncologista Luiz Gustavo Torres, membro da American Society for Clinical Oncology, ressaltou que, no caso do idoso, as variáveis se relacionam a seu estado de fragilidade e tolerância ao tratamento. “A população mais velha está subrepresentada nos estudos clínicos, por isso o médico tem que levar em conta o risco de toxicidade da medicação”, disse. Como um número muito pequeno de idosos participa de testes clínicos, cria-se um círculo vicioso: os médicos não dispõem de informações seguras sobre o efeito das drogas nas faixas etárias avançadas.

O doutor Torres ilustrou sua argumentação com a história de “dona Lucia”, de 78 anos, com câncer de cólon em estágio III. “Ela me fez perguntas da maior relevância: ficarei curada com a quimioterapia? Há chance de ficar curada sem quimio? O tratamento pode comprometer minha independência? Todas essas questões pesaram na escolha do melhor tratamento”, contou. Acrescentou que ainda é raro que oncologistas discutam os prognósticos com seus pacientes, que têm o direito de conduzir a própria vida. Afinal, se para os profissionais de saúde a enfermidade está atrelada a protocolos e intervenções, para o doente esta é uma experiência pessoal, cujo significado está ligado à sua biografia – e a idade tem um peso enorme na hora da tomada de decisões.

Fonte: G1

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive