Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Podemos eliminar o câncer de colo uterino?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/05/2021 - Data de atualização: 03/05/2021


Um esforço mundial se iniciou em agosto de 2020, liderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com apoio de sociedades científicas, inclusive da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia (ABPTGIC), rumo à aceleração da eliminação do câncer de colo uterino, pretendendo que se consiga incidência de menos de 4/100 mil mulheres por ano em décadas, o que poderá ser alcançado antes em alguns países onde a vacinação anti-HPV atingiu suas metas, como a Austrália, por exemplo, mas devemos somar esforços para diminuirmos o máximo que pudermos em nosso país, onde a incidência é de 15,5/100 mil mulheres ao ano, de acordo com os dados do INCA, estando entre as principais causas de morte por câncer nas mulheres e sendo câncer passível de prevenção primária com vacinas anti-HPV, vírus que quando são os de alto risco causando infecções persistentes, com cofatores infecciosos e imunológicos, deflagram as lesões pré-neoplásicas cervicais uterinas, que se não diagnosticadas e tratadas com a prevenção secundária, realizada com citologia de Papanicolaou e/ou testes de HPV, evoluem para o câncer de colo uterino.

Por serem preveníveis, a OMS lançou a campanha de se ter esforço mundial para vacinar 90% das meninas até 15 anos, oferecer teste de DNA-HPV duas vezes entre 30/45 anos e tratar 90% das lesões encontradas, numa força-tarefa para eliminar praticamente este tipo de câncer, o que deve acontecer em cem anos, se os esforços conjuntos existirem no mundo todo, pois morrem mais de 300 mil mulheres por ano por essa patologia e trata-se da quarta causa mais frequente de mortes por câncer em mulheres. No Brasil, 6.600 mulheres morreram dessa doença em 2019, com taxa de mortalidade de 5,3/100 mil mulheres, segundo o INCA. Temos, portanto, valores intermediários de incidência e mortalidade em relação aos países em desenvolvimento, com variações regionais nesse país continental, onde as maiores taxas encontram-se na região Norte. Vale ressaltar que 85% dos cânceres de colo uterino ocorrem nos países mais pobres, denotando que é um grande problema mundial de saúde pública, conforme declarado desde 2018 pela OMS.

É um câncer raro até 30 anos e tem seu pico entre 45-50 anos, encontrando barreiras na prevenção principalmente por falta de cobertura adequada da população feminina com exames de screening entre 25-65 anos, como preconizado pelo Ministério da Saúde, seja por desinformação ou dificuldade de acesso às unidades de saúde, dentre outros fatores. As mulheres imunossuprimidas são mais susceptíveis à doença, sobretudo as que convivem com o HIV, devendo iniciar o rastreio após o início da vida sexual e mais amiúde, assim como podem ser vacinadas para HPV pelo SUS desde os 9 aos 45 anos de idade, extensão etária nesse grupo desde agora, março de 2021, enquanto que para as meninas da população geral permanece a idade de 9 a 15 anos incompletos, necessitando reforçar que devem vacinar sem medo, pois a meta está aquém da desejada para prevenção necessária. Apenas para informar, os meninos de 11 a 15 anos incompletos também podem vacinar-se no Brasil, pelo SUS. A vacina brasileira no SUS é a quadrivalente, contra HPVs 6,11,16,18, protegendo cerca de 70% contra câncer de colo uterino e 90% de verrugas genitais, assim como também protege para cânceres de cabeça e pescoço e de canal anal, induzidos por HPV e cofatores.

O Brasil iniciou vacinação contra HPV para meninas em 2014, atingindo a meta com a primeira dose, porém o mesmo não ocorreu com a segunda dose, que chegou apenas a cerca de 40% de vacinação com as duas doses, mantendo níveis de vacinação abaixo do preconizado pela OMS, mesmo pré-pandemia, com quedas importantes desde o início da mesma, exigindo esforços redobrados para vacinarmos 90% de nossas meninas agora. O mesmo para os meninos, aproveito para salientar, mesmo que o assunto seja câncer de colo uterino, ocorrendo obviamente em mulheres e em homens/pessoas que têm colo do útero, que devem fazer prevenção da mesma forma.

Concluímos frisando a importância da vacinação de seus filhos contra HPV, por ser vacina segura segundo a OMS e vários ensaios clínicos, assim como estudos de modelagem mostram que vacina anti-HPV com ampla cobertura (90% ou mais) pode diminuir a incidência de câncer de colo uterino em países de baixa e média renda em até 90% em 100 anos, prevenindo 60 milhões de casos novos. Precisa-se de programa de rastreamento organizado como há na Austrália, com vacinação maciça e prevenção secundária abrangente, onde espera-se que em até 2028 caia a incidência para menos de 4 casos/100 mil mulheres, o que será um grande evento, servindo de exemplo para lutarmos aqui no Brasil também com a campanha vacinar 90% das meninas, triar 70% das mulheres, oferecendo dois testes de HPV entre 30/45 anos ou fazendo exames de Papanicolaou entre 25/65 anos a cada três anos após dois consecutivos normais até termos os testes de HPV pelo SUS e tratando 90% das lesões pré-neoplásicas e neoplásicas encontradas, para que também em algumas décadas consigamos praticamente eliminar o câncer cervical uterino, câncer este prevenível.

Fonte: O Fluminense

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive