Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Plantas Medicinais x Fitoterapia. “Se é natural, é seguro” Será?!

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/09/2015 - Data de atualização: 19/09/2015


Planta medicinal vem da natureza, mas será que realmente tudo o que a natureza produz é sempre seguro?

Entenda um pouco mais sobre essa questão e adote um comportamento mais seguro frente ao seu tratamento do câncer.

Qual a diferença entre fitoterápicos e plantas medicinais?


Fitoterápicos são considerados medicamentos produzidos a partir de partes de plantas (folha, caule, raiz, semente, etc.) cuja eficácia e segurança foi assegurada no tratamento de determinadas doenças. Passam por testes de qualidade e são registrados no órgão federal de vigilância sanitária (ANVISA) antes de serem comercializados.

Planta medicinal é a espécie vegetal. Partes da planta é utilizada para aliviar ou curar enfermidades com base em seu uso na população ou comunidade. Não são submetidas a um processo industrializado de fabricação e controle de qualidade. Normalmente é utilizada no preparo de chás.

Curiosidade:

No Brasil os chás não são considerados fitoterápicos, são enquadrados como alimentos.

Qual a vantagem de utilizar um fitoterápico ao invés da planta medicinal?

O processo de fabricação do fitoterápico evita contaminação por microrganismos, agrotóxicos e substâncias estranhas. É submetido a um processo de produção padronizado, de modo que a cada preparo utiliza-se uma quantidade correta e a forma certa da planta, permitindo uma maior segurança no uso.

Por que se preocupar com o uso de plantas medicinais?


As plantas possuem muitas substâncias químicas. Algumas podem ser muito úteis no alívio de enfermidades, outras podem ser perigosas. Dependendo de qual parte da planta está sendo utilizada, o tipo e a quantidade dessas substâncias químicas variam. Assim, por exemplo, o conteúdo das folhas não é necessariamente o mesmo das raízes, de modo que uma parte da planta pode trazer benefício terapêutico e a outra parte causar algum tipo de dano.


Atenção - Em 2009 foram registrados no Brasil mais de 1200 casos de intoxicação por plantas.

E o uso de plantas no tratamento do câncer? É fato ou mito?

Essa uma curiosidade bastante interessante pelo fato que muitos agentes quimioterápicos são derivados de plantas, como é o caso da vincristina e do paclitaxel. Os pesquisadores testaram produtos químicos presentes na planta, identificaram aqueles que eram realmente citotóxicos (matam a célula cancerígena) e após isso, submeteram a rigorosos estudos de segurança e eficácia durante anos de pesquisa clínica em seres humanos. Hoje são fabricados em larga escala pela indústria farmacêutica.

Apesar disso, infelizmente muitas plantas demonstram bons resultados nos estudos em laboratório (nas células cancerígenas) e depois não apresentam os mesmos efeitos em humanos. Mas a pesquisa não para e com isso há um caminho promissor para novas descobertas.

Por isso é importante ficar atento a "falsas promessas”. Nem sempre o que dá certo no laboratório tem o mesmo resultado no humano. Nem sempre o bom resultado na destruição de células de um tipo de tumor significa que seja capaz de destruir todas as células de todos os tipos de tumores. Lembre-se: existem mais de 100 tipos de câncer!!!

Por essa razão já dizia o Dr. Dráuzio Varella " remédio que serve para tudo não serve para nada”. Procure sempre se certificar das informações, verifique a origem e a veracidade, converse com profissionais que possam te esclarecer.

Posso usar fitoterápicos ou plantas medicinais durante o tratamento do câncer?

A maioria das plantas não foi estudada junto com quimioterapia, cirurgia ou radioterapia, de modo que não sabemos o que pode acontecer ao associá-las com o tratamento. Por essa razão, alguns profissionais orientam que o paciente evite seu uso durante o tratamento do câncer.

Por outro lado, há casos em que a ciência já conhece o efeito maléfico da planta quando usada com a quimioterapia, como é o caso da erva de São João (Hypericum), utilizado para o tratamento da depressão. Quando tomado durante o tratamento com irinotecano, pode diminuir o efeito da quimioterapia, por isso é contra indicado que o paciente faça uso da erva de São João quando estiver tratando o câncer com irinotecano.


Converse com seu médico, conte a ele/ela caso faço uso de fitoterápicos ou plantas medicinais. É importante que seu médico saiba o que você faz uso. Não faça uso sem antes informar algum membro da sua equipe de tratamento independente de qual seja a forma de uso da planta ou fitoterápico (uso oral ou sobre a pele).

Caso tenha dúvidas entre em contato com nosso Programa de Apoio ao Paciente (PAP) pelo telefone 0800 773 1666 (ligações gratuitas de telefone fixo), das 9h às 17h, de 2af a 6af.

Referências:



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive