Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

PL sobre transparência nas filas do SUS recebe parecer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 11/10/2019 - Data de atualização: 11/10/2019


O que houve?

A deputada Adriana Ventura apresentou, no último dia 03, na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF ), parecer ao PL n° 10.106/17, que dispõe sobre a obrigatoriedade de publicação na internet de listas de pacientes que serão submetidos a procedimentos cirúrgicos eletivos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Após discussão do tema em audiência pública, que considerou a similaridade do objetivo do projeto, com as proposições já em tramitação no Senado Federal (PLS n° 140/17 e PLS n 192/18), que tratam da transparência das filas de espera do SUS como um todo (proposições originadas em sugestão do Instituto Oncoguia), enviamos ofício à relatora, sugerindo modificações com vistas a aprimorar o texto do PL n° 10.106/17.

Em síntese, sugerimos:

  • Proposta 1: Prever a obrigatoriedade de entrega de protocolo de encaminhamento ao paciente, tal como previsto no PLS nºs 192/18 e 140/17.

  • Proposta 2: Não restringir o escopo de publicização das filas de espera apenas a cirurgia, exames e consultas (tal como previsto no texto do substitutivo em apreciação), mas ampliá-lo de modo a contemplar todos os procedimentos realizados pelo SUS, tal como ocorre no estado de Santa Catarina, conforme apresentado na audiência pública. Registre-se que os PLS nºs 192/18 e 140/17 também seguem a linha de conferir transparências às filas de espera do todos os procedimentos realizados no âmbito do SUS.

  • Proposta 3: Garantia de acesso livre às listas de espera, ou seja, não restrito apenas aos gestores e integrantes da lista (tal como consta no substitutivo ao PLS 10.106). O modelo de Santa Catarina, por exemplo, é de livre acesso.

  • Proposta 4: Ponderar sobre a conveniência de atribuir ao gestor a obrigatoriedade de estabelecer, por ato regulamentar, prazos máximos de atendimento.

  • Proposta 5: Resgatar a concepção do art. 3º do PL n° 10.167/18 (apensado ao PL nº 10.106/17), objetivando garantir a divulgação dos protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas dos hospitais que prestam serviços ao SUS, que deverão seguir, como padrão mínimo, as Diretrizes do Ministério da Saúde, podendo, apenas em casos excepcionais e devidamente justificáveis, diferenciar-se dessas. 


No parecer apresentado pela relatora identificamos que nossas propostas de n° 1, 2, 3 e 5 foram contempladas. O texto final proposto no substitutivo apresentado ficou assim disposto:


"Ementa: Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a obrigatoriedade de publicação na internet de listas de pacientes que serão submetidos a procedimentos de qualquer espécie no âmbito do SUS, e instituir a divulgação dos protocolos clínicos ou de diretrizes terapêuticas para doenças utilizados em estabelecimentos que prestam serviços ao SUS. 

O Congresso Nacional decreta: 

Art. 1º A Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 15-A: 

Art. 15-A. Os órgãos gestores do Sistema Único de Saúde (SUS) em todas as esferas de governo publicarão, em seus sítios oficiais na internet, listas públicas de todo os pacientes que serão submetidos a procedimentos de qualquer espécie nos estabelecimentos de saúde por cuja gestão sejam responsáveis, bem como nos estabelecimentos conveniados. 

§ 1º Serão tomados os necessários cuidados para resguardar a privacidade dos dados dos pacientes constantes das listas. 

§ 2º Todos os pacientes receberão, no ato da marcação do procedimento, protocolo de encaminhamento contendo, pelo menos:

I ‒ data da solicitação; 

II ‒ data e local da realização do procedimento; 

III ‒ descrição clínica resumida do caso. 

§ 3º A eventual desmarcação de procedimento deverá ser justificada e tempestivamente comunicada ao paciente, que será informado no mesmo documento ou contato sobre a nova data para a realização do procedimento. 

§ 4º Cabe aos estabelecimentos de saúde mencionados no caput repassar, em tempo hábil e com a necessária frequência, as informações a serem incluídas nas listas. 

§ 5º As listas a que se refere o caput deste artigo serão divididas por especialidade médica, no caso das cirurgias, e modalidade de procedimento diagnóstico, devendo conter as seguintes informações: 

I - estabelecimento onde será realizado o procedimento ou cirurgia; 

II - o número do Cartão Nacional de Saúde do paciente, preferencialmente, ou de outro documento oficial de identificação; 

III - a data do agendamento do procedimento ou cirurgia; 

IV - a posição ocupada pelo paciente na lista. 

§ 6º As listas deverão ser atualizadas semanalmente e somente poderão ser alteradas com base em critério médico devidamente fundamentado e registrado, devendo os pacientes que sofrerem alteração no seu agendamento ser tempestivamente comunicados.

Art. 2º O art. 19-Q da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, passa a vigorar acrescido do seguinte parágrafo: 

Art. 19-Q ...

§ 3º Os protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas adotados em estabelecimentos de saúde que prestam serviços ao SUS serão divulgados em seu sítio eletrônico, na forma do regulamento, devendo as eventuais diferenças em relação à padronização nacional ter explicação fundamentada.

Art. 3º Esta Lei entra em vigor noventa dias após sua publicação."

 

E agora?

A matéria está pronta para pauta na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF). 

O Oncoguia conta com iniciativa própria de Advocacy apelidada como “Operação Waze” destinada a promover os avanços para garantia do direito ao diagnóstico precoce e à transparência das filas do SUS. O PL n° 10.106/17 faz parte das estratégias utilizadas para que este direito seja efetivado e garantido a toda população.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive