Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

PL amplia a cobertura de medicamentos antineoplásicos de uso oral

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/08/2018 - Data de atualização: 15/08/2018


O que houve?
 

A deputada Carmen Zanotto (PPS-SC) apresentou na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei nº 10.722/18, que altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, que "dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde". O projeto determina que a incorporação dos medicamentos antineoplásicos de uso oral, na Saúde Suplementar, será efetivada automaticamente após o registro do medicamento junto à Anvisa, observando as indicações em bula e com prazo não superior a 180 dias após registro.

Carmen Zanotto explica que "o uso da quimioterapia oral proporciona mais conforto ao paciente que já enfrenta um difícil tratamento contra o câncer”. Em sua justificativa, a deputada destacou a Lei nº 12.880/13, oriunda de projeto de lei apresentado pela senadora Ana Amélia (PP-RS).  Carmen ressaltou que a aprovação da "Lei da Quimioterapia Oral" foi uma imensa conquista para o paciente com câncer, entretanto ainda existem muitos desafios para serem vencidos como a diminuição do tempo de revisão (2 anos) ou a revisão imediata da lista de medicamentos para o tratamento de câncer tão logo novas drogas ou indicações recebam registro na Anvisa, ou ainda a incorporação automática após o registro do medicamento junto à Anvisa.
Porém, "atualmente, apesar da nova Lei obrigar os planos de saúde a cobrirem os medicamentos, não são todos os que estão disponíveis no mercado que serão cobertos pelos planos. Isso porque o novo Rol da ANS incluiu somente 37 medicamentos quimioterápicos de uso oral em 2013”, complementa.

De acordo com a deputada, a terapia antineoplásica de uso oral deve ser avaliada e incorporada ao rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) utilizando as mesmas regras aplicadas atualmente à cobertura ofertada relacionada aos antineoplásicos endovenosos, ou seja, incorporação automática após registro da ANVISA, em prazo não superior a 180 dias a partir do registro. Carmem ressaltou que não há nenhuma razão lógica nesse processo, em que um medicamento oral, já registrado pela Anvisa, tenha que passar por uma outra revisão".

E agora?

A matéria aguarda despacho no presidente da Câmara dos Deputados que definirá por quais comissões o projeto será analisado.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive