Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Pesquisa inédita revela o impacto da metástase em pacientes com câncer de próstata

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/05/2019 - Data de atualização: 22/05/2019


O surgimento de metástase prejudica significativamente a qualidade de vida da maioria (67%) dos pacientes com câncer de próstata, e quase 75% afirmam que tiveram que deixar de realizar atividades rotineiras – como trabalho, lazer e exercícios físicos – por causa do avanço da doença. Esses foram alguns achados da pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos, a pedido da Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson. O levantamento buscou entender como os pacientes lidam com o câncer de próstata e os principais impactos da doença, incluindo diversos aspectos de suas vidas: físico, psicológio, emocional, social e econômico. No Brasil, o câncer de próstata é o mais frequente entre os homens, depois do de pele não melanoma. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são esperados 68.220 novos casos em 2019.

Perfil dos pacientes
Durante a pesquisa, foram entrevistados 200 homens acima dos 40 anos, diagnosticados com câncer de próstata há mais de dois anos, divididos em grupos de pacientes metastáticos e não metastáticos, em 13 capitais (Belém, Manaus, Recife, Salvador, Fortaleza, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Brasília e Goiânia).

Os pacientes ouvidos tinham, em média, 64 anos de idade e conviviam com o câncer de próstata há cerca de 5 anos. Metade deles era aposentada (52%), enquanto 37% continuavam trabalhando e 12% estavam desempregados. Destaca-se que o grupo de pacientes metastáticos apresentou uma taxa 33% maior de desemprego em comparação àqueles com a doença em fases mais iniciais.

Diagnóstico
O levantamento revela que um em cada três homens nunca procurou um médico como medida preventiva, apenas recorrendo um a um especialista depois de apresentar algum sintoma. Mesmo assim, os participantes da pesquisa demoraram, em média, seis meses para buscar atendimento após o surgimento de sintomas, como fluxo urinário fraco ou interrompido, vontade de urinar frequentemente à noite e dores (no quadril, coxas e ombro prodominantemente). Essa atitude reativa perante o cuidado com a própria saúde reflete-se também em outro dado alarmante, que aponta que 51% dos pacientes metastáticos disseram já se encontrar nesse estágio da doença no momento do diagnóstico.

Segundo a pesquisa, os pacientes passam, em média, por 2,6 profissionais até chegar ao diagnóstico de câncer de próstata. O urologista foi o profissional procurado por 46% dos entrevistados após os primeiros sintomas, enquanto 37% recorreram a um clínico geral. A maior parte dos diagnósticos foi realizada pelos urologistas (69%).

Impacto da doença
Sete a cada dez pacientes em fase metastática declararam que o avanço da doença representou uma piora significativa em sua qualidade de vida, que foi comprometida principalmente por fraqueza (32% das respostas), dores gerais (27%) ou dores nos ossos (27%). Esse impacto também é percebido pela necessidade de abandonar atividades rotineiras. O levantamento identificou que o número de pacientes em fase metastática que precisou parar de trabalhar foi quase duas vezes superior ao daqueles em fases menos graves da doença (57% versus 27%, respectivamente).

Outro reflexo do avanço da doença se dá no aspecto do convívio social. O número de pacientes metastáticos que declararam deixar de realizar atividades deste âmbito foi quase três vezes superior ao grupo daqueles em que a doença está em fases mais iniciais (31% versus 11%). Além disso, 80% dos entrevistados afirmaram que que o câncer de próstata impactou a vida sexual, tendo prejudicado também o relacionamento com a(o) parceira(o) para 46% deles.

A pesquisa apontou ainda que as primeiras reações ao receber o diagnóstico do câncer de próstata foram medo, tristeza e preocupação. Para o grupo de pacientes metastáticos, alguns sentimentos negativos apareceram de maneira ainda mais acentuada, com o dobro de homens deste grupo afirmando que sentiram medo e/ou desespero no momento do diagnóstico em comparação aos pacientes menos graves. Entretanto, ao longo do curso do tratamento, esses sentimentos vão ficando menos intensos e abrem espaço para esperança, tranquilidade e alívio.

Um reflexo desses impactos emocionais e mentais é que aproximadamente duas vezes mais pacientes metastáticos (31%) procuraram apoio psicológico em comparação àqueles que não tinham metástase (17%). A psicóloga Luiza Polessa, membro da Sociedade Brasileira de Psico-Oncologia (SBPO), fala sobre a importância da assistência multidisciplinar:

“É necessário olhar o aspecto psicossocial da doença, uma vez que a pessoa pode, de repente, deixar de ser produtiva socialmente ou intelectualmente. Além disso, os indivíduos precisam lidar ainda com outras questões associadas ao câncer, como disfunção erétil, que descaracterizam a identidade do homem de uma maneira muito significativa”.

Apesar da grande carga emocional, percebe-se que a doença está deixando de ser considerada um tabu, uma vez que apenas um terço dos entrevistados disse sentir-se constrangido ou ter vergonha de falar sobre a enfermidade com outras pessoas.

Tratamento
O intervalo médio identificado entre os primeiros sinais da doença, o diagnóstico e o começo do tratamento foi de 15 meses. De acordo com a pesquisa, 71% dos pacientes sem metástase fizeram cirurgia e radioterapia. No grupo metastático, 39% disseram ter feito cirurgia, radioterapia e estar em tratamento medicamentoso.

“O diagnóstico precoce é a chave para cura, pois de cada 10 pacientes com doença localizada apenas na próstata (ou seja, câncer não-metastático) de oito a nove serão curados” explica o Dr.Fernando Maluf, oncologista clínico e diretor médico do Centro Oncológico da Beneficência Portuguesa de São Paulo, membro do Comitê Gestor do Hospital Israelita Albert Einstein e Diretor do Centro de Oncologia do Hospital Santa Lúcia, em Brasília.

A pesquisa foi realizada no período de 27 de novembro de 2018 à 20 de fevereiro de 2019, por meio de questionário aplicado presencialmente ou por telefone. A amostra divide-se em 30% de pacientes metastáticos e 70% de não metastáticos. A margem de erro considerada foi de 7 pontos percentuais.

Fonte: Assessoria de Imprensa

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive