Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Pesquisa da Fiocruz mostra que nos dois últimos meses dobrou o número de mortes por câncer em casa no Rio

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/07/2020 - Data de atualização: 08/07/2020


Uma pesquisa da Fiocruz mostra que dobrou o número de mortes de pacientes com câncer em casa, sem tratamento, no período entre abril e maio de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com o levantamento, neste período foram 280 pacientes mortos em casa no Rio.

Reginete Fonseca descobriu um câncer grave no início de junho. A família ainda não conseguiu uma vaga pela central de regulação para começar o tratamento. "Ligavam, mandavam eu ir, eu ia (ao hospital), emagrecendo, e começando a desmaiar no meio da rua e nada se resolvia. No Dia das Mães fui parar no pronto-socorro com graves dores", contou a paciente que ainda não conseguiu tratamento.

Desde outubro de 2019 Janaína Silva está tentando começar a radioterapia para combater dois tumores. A filha dela, Tatiane Silva diz que o tratamento pode mudar a vida de Janaína.

"O Inca (Instituto Nacional do Câncer) fez as primeiras consultas dela. Falaram ue esse ano inscreveram ela no Sisreg (Sistema Estadual de Regulação) para ela começar a radioterapia. Mas eles falaram que não tem uma posição para dizer se ela é primeira, segunda, terceira. O câncer não espera, requer tratamento para poder mudar a vida dela. Não é fácil, e não é só ela, são vários pacientes com o mesmo problema", reclamou Tatiane.

A Sociedade Brasileira de Oncologia diz que é urgente garantir o acesso ao tratamento para evitar mais mortes, como frisa a médica Clarissa Mathias.

"A morte por câncer está diretamente relacionada com o não tratamento e o não diagnóstico.A partir do momento que o paciente chega a um estágio mais avançado, perde-se a janela da possibilidade de cura desses pacientes", disse Clarissa.

Thárcila Calvelli diz que o pai, Luiz Calvelli, está com um câncer no intestino. O estado dele é grave, mas ele está sem atendimento.

"Nós estamos em busca de atendimento oncológico para o meu pai. Nós descobrimos que ele está com câncer de intestino, o estado dele é muito grave e com a pandemia ele não está conseguindo atendimento no SUS, na rede pública", disse Thárcila.

Os pacientes também estão lidando com a falta de medicação. Wagner Barros Leite já fez radioterapia, mas precisa tomar remédios para terminar o tratamento. A mulher dele Magda diz que ele foi informado que o medicamento está em falta e não tem previsão de entrega.

"Ele faz um tratamento mensal de injeção com medicação Degallerix. No dia 29 de junho fomos lá pra ser medicado e ele foi informado que não tem a medicação e nem tem previsão de entrega. É uma medicação muito cara, nós não temos condição, meu marido é aposentado. E câncer não espera, câncer mata", disse Magda.

A direção do Hospital Cardoso Fontes diz que o medicamento chegou e que o paciente Wagner Barros Leite pode buscar o remédio na unidade.

A Secretaria Estadual de Saúde disse que as cirurgias de câncer foram mantidas durante a pandemia. A secretaria também afirma que o Sistema Estadual de Regulação tem diferente filas, de acordo com a gravidade e o tipo de câncer. E que os municípios são responsáveis por inserir os pacientes nas filas.

O Inca esclareceu que os atendimentos de emergência não foram suspensos em nenhum momento. Em relação à paciente Janaína, o Inca disse que ela vem sendo acompanhada e que os exames dela estão sendo analisados pelos médicos.

O Inca disse também que os atendimentos foram retomados no início de junho. E mesmo com as remarcações, todos os pacientes terão agendamentos feitos.

A Prefeitura do Rio informou que as consultas de pacientes com câncer foram mantidas. E que outras marcações ambulatoriais foram suspensas.

Fonte: G1

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive