Tipo de Tratamento

Radioterapia


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Perguntas e respostas sobre a radioterapia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 21/02/2015 - Data de atualização: 13/04/2021


A radioterapia é usada apenas para destruir tumores?
Não. Ela também pode ser usada de forma profilática, ou seja, para evitar a formação de células cancerígenas. Em situações em que não é possível eliminar completamente o tumor, a radioterapia pode ser utilizada para diminuir seu tamanho, com o objetivo de reduzir a dor, a pressão e outros sintomas, a fim de melhorar a qualidade de vida do paciente. Quando a radiação é usada desta maneira, é chamada de radioterapia paliativa.

Como funciona a radioterapia?
A radiação destrói as células cancerígenas, danificando seu DNA, as moléculas que contêm a informação genética, que destrói a sua capacidade de se dividir e se reproduzir. A radiação também destrói as células normais e as células cancerígenas que crescem e se dividem mais rapidamente do que as normais e como resultado são mais susceptíveis aos danos da radiação. Além disso, as células normais são mais capazes do que as células cancerosas de se recuperar e de se reparar dos efeitos da radiação. Essa é uma razão pela qual as sessões de tratamento são administradas ao longo de várias semanas, pois dá às células normais a possibilidade de se repararem durante o tempo entre as sessões. Este processo é chamado de "fracionamento", porque a dose de radiação total é dividida em frações, que são dadas durante um tempo e que se acumulam ao término do tratamento. Além disso, o médico pode modelar o feixe de radiação de acordo com o tamanho e a localização do tumor, minimizando a dose que atinge o tecido adjacente saudável.

Quanto tempo dura uma sessão de radioterapia?
Embora o número de tratamentos administrados varia dependendo do tipo de tumor, estado de saúde geral do paciente e da técnica de radiação utilizada, os tratamentos são normalmente realizados cinco dias por semana durante seis a sete semanas. Quando a radiação é usada para cuidados paliativos, o decurso do tratamento pode ser mais curto, normalmente de duas a três semanas. Cada sessão de tratamento normalmente dura de 10 a 20 minutos.

Quais são os possíveis efeitos colaterais da radioterapia?
Os efeitos colaterais, se houver algum, são cumulativos, o que significa que se desenvolvem ao longo de todo o tratamento conforme a radiação se acumula no tumor. Eles podem ser leves ou severos, dependendo do tamanho e da localização do tumor, condição clínica geral do paciente e tempo de cada tratamento. Dois dos efeitos colaterais mais comuns são irritação ou danos à pele próxima ao local de tratamento e fadiga.

A radioterapia torna o paciente radioativo?
O feixe de radioterapia externo, onde a fonte de radiação está em um equipamento externo ao corpo, não torna o paciente radioativo. Após a radiação ser emitida, não existe radiação persistente. Se você receber radioterapia interna, também denominada braquiterapia, onde pequenas sementes radioativas são colocadas no interior de seu corpo, a maior parte da radiação é absorvida pelos tecidos adjacentes, mas os baixos níveis de radiação podem ser emitidos a partir de seu corpo por um período limitado de tempo. Durante esse período, você terá de tomar certas precauções para reduzir a exposição de outras pessoas, em especial de crianças e mulheres em idade fértil.

A radioterapia provoca queda de cabelo?
A radioterapia só afeta a área do corpo em que o tumor está localizado. Você não terá queda de cabelo a menos que o seu tratamento tenha como alvo a cabeça. Se você perder seu cabelo, ele provavelmente voltará a crescer após o término do tratamento.

A radioterapia causa náuseas?
A radioterapia afeta apenas as áreas que estão sendo irradiadas, por isso, se você não está recebendo a radiação na região do abdome, é improvável que sinta náuseas. Em alguns casos, as náuseas de um paciente são causadas por outros tratamentos,  como a quimioterapia ou medicação para dor.

O próprio tratamento radioterápico pode causar câncer?
Teoricamente, sim, mas é altamente improvável. Além das células cancerígenas serem atingidas, algumas células normais, ao redor da área a ser tratada podem ser danificadas pela radiação, o que pode eventualmente provocar outro câncer, conhecido como segundo câncer primário. No entanto, a possibilidade de que isso aconteça é bastante pequena, porque as técnicas atuais de radioterapia permitem ao médico irradiar o tumor com precisão, minimizando a dose para os tecidos adjacentes saudáveis. As estatísticas sobre os cânceres induzidos por radioterapia indicam que a probabilidade de causar um novo câncer é menor do que 5% em 30 anos após o tratamento. Esse risco futuro é muito menor do que o risco imediato de morte pelo câncer inicial se não for tratado.

É possível dirigir após o tratamento radioterápico?
Quase todos os pacientes são capazes de conduzir durante o tratamento e, de fato, são capazes de continuar todas as suas atividades diárias normais, incluindo o trabalho. Você deve, no entanto, perguntar ao seu médico sobre a sua situação individual.

A radioterapia pode ser administrada simultaneamente a outros tratamentos?
A radioterapia é, por vezes, o único tipo de tratamento que um paciente pode precisar, mas alguns tipos de tumores respondem melhor a uma combinação de terapias, o que pode envolver radioterapia e cirurgia, quimioterapia, hormonioterapia e/ou imunoterapia. Quando a radioterapia é realizada para potencializar a eficácia de outro tipo de tratamento, é denominado terapia adjuvante.

A radioterapia pode afetar minha fertilidade?
Se a região irradiada for próxima a seus órgãos reprodutivos, sua fertilidade pode ser afetada temporária ou permanentemente. Discuta essa possibilidade com o seu médico.

Texto originalmente publicado no site American Cancer Society (27/12/2019), livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive