top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[PERFIL] ‘O câncer me fez realinhar valores’

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 21/10/2015 - Data de atualização: 11/04/2016


Na alegria do Carnaval de 2009, a assistente administrativa Maria de Lurdes Lima dos Santos, hoje com 39 anos, sentiu uma fisgada na mama. Aproveitou a folia e marcou consulta com o médico. Recebeu o diagnóstico de câncer de mama.

Recebeu tratamento e se recuperou. Em agosto de 2013, teve falta de ar. No hospital, cogitou-se a hipótese de infarto. Mas, era o câncer, que tinha voltado e estava por todo o corpo, exceto intestino, útero e estômago. Hoje, Maria de Lourdes, mais conhecida como Netinha, se reveza entre químio e radioterapia. E tem planos: não desistir, para acompanhar o crescimento dos filhos, de 19 e 11 anos, e do neto de 11 meses e estar ao lado do marido, Saulo de Oliveira, 36 anos.

Em março de 2009, no Carnaval, senti uma fisgada na mama. Não descansei. Em abril, fui ao médico. Como não tenho histórico de câncer na família, o ginecologista não prescreveu mamografia. Eu disse: "Tem alguma coisa errada na minha mama”. Fiz o exame em clínica particular, e acusou câncer. Fiz tratamento.

Em agosto de 2013, tive falta de ar. Fui para o hospital sem respirar e disseram que eu tinha infartado. Fizemos tomo e acusou que meu corpo só não tinha metástase no intestino, no útero e no estômago.

Fiquei igual a um baiacu, toda inchada por causa da quimioterapia. Fui respondendo bem, até a doença chegar ao pulmão e à costela. Depois, no osso da perna esquerda.

O câncer metastático não e uma sentença de morte. A gente pode viver bem em tratamento. Não importa se é quimioterapia oral, se é radioterapia. O que importa é que a gente tem a possibilidade de fazer um tratamento, tomando remédio todos os dias. É normal. E é aí que a gente vê o quanto é forte.

A gente consegue tirar coisas boas. Não é que o câncer me ensinou a viver. Ele me fez realinhar valores e reagregar coisas, olhar e valorizar detalhes. Se não fosse o amor do meu marido e dos meus filhos por mim, eu não estaria mais aqui.

A única vez que fiquei sem a família foi no ano passado. Moro em Belém e fui a São Paulo para o 2º Encontro de Pacientes de Câncer de Mama Metastático, promovido pelo Instituto Oncoguia. Para mim, foi uma superação. Conheci novas pessoas, encontrei informação de qualidade, havia uma equipe pronta cuidando da gente. Cheguei em casa querendo muito mais. Neste ano, vou novamente. Foi um divisor de águas porque eu sei que não estou sozinha.

Por QSocial



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive