top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[PERFIL] ‘Jamais pensei que morreria de câncer de próstata’

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/11/2015 - Data de atualização: 11/04/2016


Em 1988, seu pai foi diagnosticado com câncer de próstata. Foi quando a luz amarela acendeu para o engenheiro civil Roberto Gouveia, hoje com 64 anos.

Passou a encarar exames mais frequentes e a monitorar seu estado de saúde. Até que, em 2011, descobriu que também tinha a doença. "Jamais pensei que morreria de câncer de próstata”, diz ele, que está curado.

A seguir, leia trechos da entrevista:


Procuro me prevenir bastante. Sempre me preocupo com as coisas que possam dar errado.

Em 1988, meu pai foi diagnosticado com câncer de próstata e, na época, eu não tinha a menor informação disso. Por sorte, ele descobriu no estágio inicial e fez a cirurgia. Vai fazer 92 anos em fevereiro.

Em uma das visitas, o médico enfiou o dedo na minha cara e disse: "Se cuida porque você é grupo de risco”. Ele me explicou as situações que existem para quem tem antecedentes familiares.

Eu tinha 41 anos na época e aquilo me chamou a atenção. Por isso comecei a me cuidar.

Passei a fazer os exames preventivos. Não tinha 50 anos ainda, comecei a fazer exame completo, com PSA [Prova do Antígeno Prostático, feito pelo sangue] e toque.

Em meados de 2011, fiz biópsia e o resultado apontou carcinoma. O câncer foi detectado muito no começo e pude escolher o tipo de tratamento: cirurgia aberta, videolaoparoscopia ou radioterapia.

Liguei para o Hospital do Câncer, expliquei minha situação e quis marcar uma consulta. A atendente me perguntou: "Que médico você quer?”. Eu disse: "Vou colocar meu destino nas suas mãos. Me bota na mão de um cara bom”.

Fui no dia seguinte e saí de lá com a cirurgia marcada. Não poderia fazer naquela hora porque eu tinha feito a biópsia e a próstata estava machucada. Operei em 21 de junho de 2011.

A grande preocupação eram as sequelas pós-operatórias. O que pode acontecer? Incontinência? Impotência? Isso é complicado de lidar. Mas chega uma hora que tem que encarar.

Não tive problema de incontinência e impotência. Vi muitos casos de gente que teve que lidou com isso. Mas a doença está instalada. Tem que resolver.

Não me assustou saber que eu era grupo de risco. O medo vem da lembrança que tem alguma coisa que pode dar problema. É como fazer viagem com pneu careca. Tem que ficar atento. Mas eu sempre tive o cuidado de manter a situação sob controle e sem nenhuma angústia.

Tive uma conversa séria com meu filho [Leandro, 31 anos]. "Você também é grupo de risco. Fica esperto. Se o inimigo quiser te pegar, esteja preparado.” Quando ele tiver 35, vou lembrá-lo.

A gente trabalha com plano A, B e C na engenharia. E levo muito disso para a minha vida. O que representa perigo, eu sempre tenho precauções.

Não tenho a menor dúvida de que o cuidado constante me salvou. Tenho uma teoria que vale para qualquer coisa. É muito difícil encarar que você tenha um problema que pode te levar à morte. Tem gente que não vai ao médico. "Vai que ele descobre alguma coisa.” Sou contra o raciocínio, mas entendo. Se puder combater antes, procura combater quando é pequeno.

Para quem está com medo, eu digo: "Para de ser machão e faz o que tem que ser feito”. O exame de próstata é um estigma que o homem tem que perder. Para quem descobriu a doença, as chances de cura são altas. Jamais passou pela minha cabeça que eu morreria com câncer de próstata.

Veja outros textos do Instituto Oncoguia no Catraca Livre

Por QSocial



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive