Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Patologia tem papel fundamental para diagnóstico do câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/05/2021 - Data de atualização: 14/05/2021


O tratamento correto de um câncer se dá a partir do diagnóstico preciso. Parece óbvio, mas pouco se fala do papel imprescindível do patologista nesse processo. Ele é o responsável pelo diagnóstico do tumor, com tipo e subtipo.

Kátia Leite, presidente da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), falou no 11º Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia On-line, promovido pelo Instituto Oncoguia, sobre os desafios para um diagnóstico ágil e de qualidade do câncer.

Ela afirmou que não há laboratórios de patologia suficientes no país. “São 6.000 laboratórios no Brasil, sendo que apenas cerca de 2.000 atendem o Sistema Único de Saúde (SUS). Isso acontece porque a remuneração é defasada, inadequada. O repasse do SUS não cobre nem os custos do trabalho.” Segundo Kátia, por conta da baixa remuneração, faltam patologistas.“Menos de 2% dos médicos formados querem fazer essa especialização.”

Todo diagnóstico de câncer passa pela biópsia: parte do tumor é retirada, e o médico patologista, após analisar o material, redige um laudo anatomopatológico, que auxilia na definição do melhor tratamento pelo oncologista. Por meio da biópsia e de outros exames realizados pelo patologista, como o estudo imuno-histoquímico para a determinação dos receptores hormonais, é possível determinar o melhor tipo de medicação.

Apesar dos problemas enfrentados pelo setor, existem iniciativas que podem ajudar a melhorar a situação da patologia no Brasil. Maira Caleffi, mastologista do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre (RS), apresentou um case inspirador.

A cidade faz parte do City Cancer Challenge (C/Can), iniciativa global que tem como objetivo apoiar as cidades a melhorar o acesso dos pacientes a diagnóstico e tratamento de câncer, oferecendo serviços de qualidade. O programa foi criado pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC).

A ideia é formar alianças estratégicas para planejar e implementar soluções de saúde. Em Porto Alegre, a iniciativa reúne a Secretaria Municipal de Saúde, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), o Hospital Moinhos de Vento e todas as instituições públicas e privadas que prestam serviços oncológicos na cidade.

“O comitê identificou 88 problemas e 13 objetivos que passam por diversas áreas do câncer. Em patologia, o projeto busca melhorar a qualidade e a rastreabilidade dos laboratórios, padronizar os laudos, integrar os dados e desenvolver e implementar um programa de controle de qualidade dos laboratórios”, afirmou Maira.


Matéria publicada por Folha de S. Paulo em 13/05/2021.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive