Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Paraná oferece tratamentos para câncer acima do esperado, aponta estudo

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/07/2017 - Data de atualização: 17/07/2017


Centros oncológicos e hospitais do câncer no Paraná oferecem tratamentos medicamentosos no Sistema Único de Saúde (SUS) acima ou dentro do esperado, segundo estudo divulgado no fim de junho pelo Instituto Oncoguia. A entidade analisou 34 centros oncológicos de diferentes estados no Brasil, entre eles o Paraná, para verificar quais são os protocolos e diretrizes que direcionam os tratamentos oncológicos, principalmente os medicamentos usados, e compará-los com os protocolos do Ministério da Saúde.

Como resultado, o estudo percebeu uma desigualdade considerada grande entre os tratamentos ofertados para os mesmos tipos de cânceres. As diferenças foram encontradas entre os estados, mas também entre hospitais de uma mesma cidade, como foi o caso de São Paulo e Recife. "Tinham muitos hospitais que dão aquilo que é preconizado pelo Ministério ou acima, mas tinham também hospitais cujos protocolos estavam abaixo do que é preconizado. A desigualdade é muito grande e, por isso, o título do estudo é muito certo, o ‘Meu SUS é diferente do teu SUS'”, explica Tiago Farina Matos, diretor jurídico do Instituto Oncoguia e um dos autores da pesquisa.

"Todo mundo sempre desconfiou dessa desigualdade, mas agora temos dados que mostram isso. Precisamos estimular que essas informações dos tratamentos sejam mais transparentes. Não podemos aceitar que, se der sorte, o paciente é encaminhado a um hospital que tenha um tratamento melhor ou no azar seja enviado a um hospital que não atinge nem o que é preconizado pelo Ministério da Saúde”, reforça Matos.

Foram analisados os protocolos e diretrizes – uma espécie de manual que os médicos recebem das instituições onde trabalham para seguirem nos tratamentos oncológicos – de cinco tipos diferentes de câncer: mama, pulmão, colorretal, próstata e colo de útero.
Os dados foram divulgados durante o 7º Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia do Instituto Oncoguia, realizado nos dias 27 e 28 de junho, em São Paulo.

Centros oncológicos no Paraná oferecem tratamentos mais completos

No Paraná, dois hospitais ou centros oncológicos possuem protocolos e diretrizes próprios e, para os cânceres de mama e pulmão. No caso do primeiro, os protocolos superam as diretrizes do Ministério da Saúde. Para o câncer de pulmão, eles estão adequados à elas.

Os dados dos demais cânceres (próstata, colo do útero e colorretal) serão divulgados no dia 30 de junho em um artigo publicado na revista científica da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, a Brazilian Journal of Oncology. Os nomes das instituições não foram divulgados pelos autores da pesquisa para evitar pânico entre os pacientes.

"É preciso lembrar que um tratamento [oncológico] adequado não é só ter drogas. Tratamento adequado inclui nutricionista, psicóloga, assistência radioterápica, assistência cirúrgica, entre outros. São vários fatores que influenciam e, portanto, não é para os pacientes tentarem migrar para hospitais que oferecem mais drogas”, diz Rafael Kaliks, oncologista clínico do hospital Israelita Albert Einstein e diretor científico do Instituto Oncoguia, durante o Fórum da instituição.

Da mesma forma, Kaliks reforça que ter uma diretriz ou um protocolo no hospital não garante que essa mesma diretriz seja cumprida. "Não estou falando que centros com diretrizes são melhores que os que não têm. Às vezes o médico faz menos do que diz a diretriz e não há um controle sobre isso. Também, hospitais que não dispõem de diretrizes não significa que o tratamento seja insuficiente”, explica.

No entanto, ter um protocolo e ele, mesmo assim, estar abaixo daquilo que é preconizado pelo Ministério da Saúde para aquela determinada doença é, do ponto de vista do paciente, mas também das entidades médicas, inaceitável. "É inaceitável que exista um subtratamento em relação ao que o Ministério propõe, que pode já ser baixo”, reforça o médico oncologista.

*A jornalista viajou a São Paulo a convite do Instituto Oncoguia.

Matéria publicada na Gazeta do Povo em 29/06/2017

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive