Especial

Qualidade de vida


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Para pessoas com linfedema

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 21/08/2015 - Data de atualização: 12/05/2020


O linfedema associado ao câncer é mais comumente causado pela remoção de linfonodos durante a cirurgia do câncer ou pelo próprio tumor que pode bloquear parte do sistema linfático. O aumento dos glóbulos brancos devido a leucemia ou infecção também pode restringir o fluxo linfático e provocar linfedema.

Linfedema agudo ou temporário

O linfedema pode começar logo após a cirurgia oncológica, o que pode ser denominado linfedema agudo ou temporário (de curto prazo). Pode começar poucos dias, semanas ou alguns meses (até um ano) após a cirurgia, geralmente é leve e desaparece por conta própria ou com alguns tratamentos.

Embora esse tipo de linfedema geralmente desapareça com o tempo, informe seu médico imediatamente. A área inchada pode aparecer vermelha e quente, o que pode ser um sinal de um coágulo sanguíneo, infecção ou outro problema que precisa ser investigado e tratado.

Se não existirem outros problemas que causem o inchaço, o linfedema temporário pode ser tratado elevando o braço ou a perna, fazendo exercícios leves e tomando os medicamentos prescritos pelo médico para reduzir o inchaço (inflamação).

Linfedema crônico

Essa forma de linfedema se desenvolve lentamente ao longo do tempo, podendo aparecer muitos meses (ou até mesmo anos) após o tratamento do câncer e o inchaço pode variar de leve a severo. O líquido linfático que se acumula na pele e tecidos subjacentes pode impedir que os nutrientes cheguem às células, interferindo na cicatrização de feridas e levando à infecções, tornando-se algo muito desconfortável ao paciente.

O linfedema pode ser um problema a longo prazo, mas existem maneiras de ser controlado. Ainda temos muito a aprender sobre linfedema, mas sabemos que existem coisas que você poderá fazer para cuidar de si mesmo e ajudar a diminuir o seu risco, como reconhecê-lo o mais precocemente possível e assim iniciar o tratamento

Tratamento do linfedema

Existem diversos tipos de tratamentos para o linfedema, como reduzir o inchaço, evitar a evolução do linfedema e diminuir o risco de infecção. O tratamento é prescrito pelo médico e realizado com orientação de um fisioterapeuta.

O fisioterapeuta também pode ajudar o paciente com os cuidados com a pele, massagens, bandagens especiais, drenagem linfática, exercícios e acessórios especiais.

O que o paciente pode fazer

  • Evite usar muito o braço ou perna do lado operado.
  • Observe atentamente seu corpo na frente de um espelho, comparando ambos os lados do seu corpo e procurando alterações no tamanho, forma ou cor da pele. Se notar qualquer um desses sinais informe, imediatamente, seu médico.
  • Cuide da sua pele para evitar o risco de infecção. Use sempre protetor solar com FPS de pelo menos 30 e evite a exposição aos raios ultravioleta (UV) entre às 10 e 16h.
  • Certifique-se que as roupas de compressão se encaixam adequadamente e que sejam usadas corretamente, para não piorar o linfedema.
  • Se o seu braço começar a doer, deite-se e levante-o acima do nível do seu coração.
  • O exercício regular é parte essencial do tratamento do linfedema, mas procure não cansar demais o ombro e o braço.

O que os cuidadores podem fazer

  • Fique atento aos primeiros sinais de infecção, como pus proveniente de um corte ou um arranhão, erupção cutânea, manchas vermelhas ou estrias, inchaço, aumento de temperatura do local, sensibilidade, calafrios ou febre. Entre em contato com seu médico imediatamente se você suspeitar que possa ser uma infecção.
  • Ajudar a proteger o ambiente doméstico de possíveis quedas para evitar lesões na pele ou fraturas ósseas.
  • Se o paciente tiver animais de estimação, mantenha as unhas dos animais aparadas para evitar que ele arranhe a pele do paciente.
  • Evite que o paciente seja exposto a temperaturas extremas, como compressas de gelo ou bolsas térmicas de aquecimento sobre a área afetada, limite o tempo de utilização até entender como seu corpo irá responder.

Quando entrar em contato com o médico

Entre em contato com seu médico ou fisioterapeuta se perceber algum dos sinais de linfedema ou qualquer uma das alterações abaixo:

  • Alguma parte da área afetada, como braço ou perna, ficar quente, vermelha ou inchada de repente. Esses podem ser sinais de infecção (celulite) ou de um coágulo sanguíneo. Você pode precisar iniciar o tratamento imediatamente.
  • Ter um aumento de temperatura não relacionada a um resfriado ou gripe.
  • Apresentar uma nova dor sem causa conhecida na área afetada.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/02/2020, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive