Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Para atenuar as dores

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/07/2017 - Data de atualização: 19/07/2017


Um dos sintomas mais importantes no câncer é a dor. Estimativas mostram que 80% dos pacientes convivem com esse desconforto que pode beirar o insuportável e que traz grande impacto na qualidade de vida. "O tratamento é um direito e deve começar junto do diagnóstico”, defende a oncologista Maria del Pilar Estevez Diz, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP).

As sensações dolorosas costumam ser desencadeadas de diferentes maneiras. O próprio tumor pode pressionar nervos e outras estruturas, comprometendo a funcionalidade de órgãos. Procedimentos terapêuticos, caso da quimioterapia e da radioterapia, estão por trás de lesões em tecidos e também respondem pelo incômodo. Há ainda a dor crônica que acomete de 10 a 20% dos pacientes com câncer controlado, ou seja, nos pós-tratamento.

Para sanar o mal, os opióides estão na linha de frente. "A prescrição deve ser feita de maneira segura e responsável para chegar às mãos de quem realmente precisa”, defende Maria del Pilar. Mas alguns mitos rondam essas medicações. Há desde o medo de que cause dependência até a associação com o estágio final de vida, ou seja, com a morte. "Por falta de informação, a adesão fica abaixo do esperado”, lamenta a médica.

Outras estratégias em prol do alívio também são bem-vindas. "Acupuntura, massagem, fisioterapia e atividade física são recomendadas”, enumera a médica. "Sabemos que há um temor em relação à prática de exercícios, mas eles ajudam a evitar a perda de massa muscular e óssea, além de trazer bem-estar”, afirma. O recado da médica é recorrer a profissionais capacitados para que haja orientação adequada.

Educadores físicos e fisioterapeutas devem compor o quadro de especialistas que acompanham o paciente desde o diagnóstico. A presença do nutricionista também é essencial. Um cardápio personalizado contribui para aplacar sintomas como a constipação intestinal, que também pode causar dores.

Cuidados paliativos

É preciso que todo profissional de saúde aprenda a lidar com o sofrimento alheio, saiba acolher o paciente e sua família, respeitando e cuidando do que é sagrado para cada um.  Trata-se de um momento de grande vulnerabilidade. O cuidado paliativo não deve ser restrito aos momentos finais, mas sim ter início ainda na fase do diagnóstico.

"Existem evidências científicas consistentes de que promova qualidade de vida, contribua para o controle de sintomas e aumente o tempo de sobrevida”, enumera Daniel Neves Forte, presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos. A formação médica nesse sentido é bastante precária, não há políticas de saúde.
Estimativas revelam que apenas 3% dos grandes hospitais do Brasil contam com uma equipe especializada para esse fim.

Fonte: Estadão

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive