Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Papanicolau é a principal forma de rastreamento de câncer do colo do útero

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/07/2020 - Data de atualização: 17/07/2020


O câncer do colo do útero é o quarto tipo de tumor com maior prevalência entre as mulheres, com exceção dos casos de pele não melanoma. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são aproximadamente 16 mil novos casos por ano no Brasil: quase todos são decorrentes de infecção pelo papilomavírus humano (HPV).

Transmitido por meio de relações sexuais desprotegidas, o HPV pode ser prevenido por meio do uso de preservativos e também pela vacinação. Mas, a maioria das mulheres infectadas pelo vírus não desenvolve tumores e não apresenta sintoma. Por isso, é importante fazer o papanicolau, exame de rastreamento para detecção precoce da doença.

Papanicolau

Este exame é a principal forma de detectar lesões que podem vir a desenvolver a doença. “O papanicolau é um procedimento simples que analisa amostras de células recolhidas do colo do útero, por meio de raspagem com uma espátula e escovinha. O material é analisado em laboratório e pode detectar lesões pré-cancerosas. Com isso, a paciente pode ser tratada precocemente, antes que a lesão resulte em um câncer. É um modelo muito eficaz de rastreamento”, explica Dr. Glauco Baiocchi Neto, head do Centro de Referência de Tumores Ginecológicos.

Todas as mulheres devem fazer o exame de acordo com a recomendação para cada idade

  • Aos 21 e 22 anos. Depois, a cada três anos.
  • A partir dos 30 anos, o papanicolau pode ser feito junto com o teste de detecção do DNA do HPV e, se ambos negativos, a cada cinco anos.
  • Mulheres expostas ao HIV ou com problemas no sistema imunológico devem fazer o exame anualmente.
  • Mulheres com 70 anos ou mais que tiveram três ou mais testes normais em sequência (e nenhum resultado anormal em 10 anos) não precisam continuar a fazer o exame.

Sinais e sintomas

Dr. Glauco explica que, nos estágios iniciais, o câncer do colo do útero geralmente não apresenta sintomas e, por isso, a necessidade de fazer o papanicolau. Em casos mais avançados, a mulher pode apresentar:

  • Secreção, corrimento ou sangramento vaginal incomum.
  • Sangramento leve, fora do período menstrual.
  • Sangramento ou dor após a relação sexual, ducha íntima ou exame ginecológico.
  • Estes sintomas não necessariamente indicam a presença de um tumor, pois podem ser sinal de outros problemas ginecológicos. Em caso de dúvida, consulte seu médico.

Saiba mais sobre câncer do colo do útero

Clique aqui e acesse a “Cartilha de câncer do colo do útero”. Este material, elaborado pela equipe do Centro de Referência de Tumores Ginecológicos, traz informações simples e didáticas com temas como etapas do diagnóstico, fatores de risco, prevenção, estadiamento e fases do tratamento.

Fonte: Panorama Farmacêutico

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive