Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Pandemia reduziu diagnósticos e evidenciou desigualdade nos tratamentos do câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/09/2021 - Data de atualização: 20/09/2021


O diagnóstico e o tratamento do câncer nunca estiveram tão perto de avanços significativos e tão distantes de chegar à imensa maioria dos brasileiros que precisam deles, avaliam especialistas. A pandemia de Covid-19 aprofundou dificuldades e aumentou desigualdades entre o Sistema Único de Saúde (SUS) e o setor privado. Somente 8,5% dos médicos que trabalham exclusivamente no SUS classificam o acesso a diagnóstico e tratamento como bom.

O dado faz parte da pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) “O futuro das tecnologias de diagnóstico e tratamento do câncer (2019-2049)”, coordenada por José Gomes Temporão e Luíz Antônio Santini. O estudo procurou identificar inovações consideradas promissoras pelos médicos brasileiros. Foram entrevistados 821 médicos de dez sociedades oncológicas do Brasil.

Sem visão estratégica

Especialistas como Santini, ex-diretor do Instituto Nacional do Câncer (INCA) e pesquisador do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz (CEE-Fiocruz), veem em novas tecnologias, como biópsia líquida e terapia celular, oportunidades contra o câncer, a segunda principal causa de morte no mundo e a primeira em 600 municípios brasileiros.

Porém, para que promessas se tornem realidade é preciso uma política nacional contra a doença, coisa que o Brasil não tem nem em plano nem em intenção, diz o também pesquisador do CEE e ex-ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

— Com certeza absoluta teremos aumento da mortalidade por câncer no Brasil. O Brasil não tem uma política científica contra a dependência, que poderia orientar e reduzir gastos. Temos condições de nos tornamos independentes e fornecedores, como fizeram China e Índia. Não nos falta capacidade, mas, sim, visão estratégica — afirma Temporão.

Santini acrescenta que nos primeiros três meses da pandemia, em 2020, houve uma redução de 90% no acesso ao diagnóstico de câncer de mama e de colo de útero, os dois mais frequentes nas mulheres brasileiras, diz Santini. Segundo ele, nesse período, os procedimentos de rotina do SUS tiveram uma queda de 80%.

No evento online “Atenção à saúde, inovação tecnológica e câncer: impactos e desafios da era Covid-19”, realizado pela Fiocruz, ficou claro que o desafio de melhorar o diagnóstico é uma emergência de saúde pública, em meio à pandemia.

Um levantamento realizado pelo Movimento Todos Juntos Contra o Câncer mostrou que na pandemia 61% dos pacientes (público e privado) tiveram seus tratamentos alterados. Além disso, 71% dos pacientes do SUS tiveram dificuldades para fazer exames, e outros 66% enfrentaram problemas para conseguir consultas. Os dados foram apresentados pela pesquisadora Nina Melo, da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia.

Temporão salienta ainda a relevância de ampliar e organizar a rede de assistência no SUS, com foco na atenção primária, investir no diagnóstico. Fora do SUS, o problema é a baixa cobertura dos planos de saúde privados.

O abismo entre os pacientes do SUS e da rede privada, que já era imenso, aumentou absurdamente, destaca Carlos Gil Ferreira, presidente do Instituto Oncoclínicas. Mas mesmo no setor privado, o impacto da pandemia de Covid-19 é grande, acrescenta. Muitos pacientes fizeram diagnóstico tardio e alguns interromperam o tratamento.

— O Brasil mergulhou num abismo tecnológico em relação a avanços realizados em EUA e Europa. Tudo o que se tentava desenvolver de tecnologias parou até antes da pandemia, com ela a situação ficou desesperadora — enfatiza Ferreira.

Insumos importados

Para agravar a situação, acrescenta Daniel Tabak, onco-hematologista membro da Academia Nacional de Medicina (ANM), as pessoas com câncer costumam ter evolução pior da Covid-19 e também não respondem da mesma forma à vacinação.

— Vamos sentir o impacto da pandemia no combate do câncer por anos. E não apenas dela, mas também da falta de estratégias nacionais contra a doença — enfatiza Tabak.

A dependência do país a insumos importados que ficou mais do que evidente na pandemia da Covid-19, primeiro com os testes de diagnóstico e depois com as vacinas, também se repete no câncer. O Brasil importa 100% dos insumos necessários para o diagnóstico molecular do câncer. Já a imunoterapia, que para especialistas como Ferreira chegou para mudar a oncologia, não faz parte do planejamento do país.

A imunoterapia é capaz, por exemplo, de proporcionar a um paciente com câncer de pulmão metastático viver de duas a três vezes mais do que o tempo atual de sobrevida, que não costuma passar de um ano e meio. A imunoterapia oferece a vantagem ainda de ser menos tóxica. Mas a chance de sobreviver é para quem pode pagar. É um tratamento crônico, que custa R$ 50 mil por mês.

As terapias celulares, com células CAR T, estão na vanguarda do tratamento contra o câncer. Prometem tratar casos hoje sem opção e aumentar significativamente a sobrevida da doença de forma geral. Porém, o tratamento chega a custar US$ 1 milhão por paciente nos EUA.

— O câncer deixou de ter uma política estado, a Covid-19 só piorou que o já estava ruim. Não há estratégia para nacionalizar moléculas necessárias à imunoterapia. Nos próximos cinco anos o cenário é desolador, mesmo para o setor privado. Tratamentos muito melhores estão disponíveis no exterior, mas o brasileiro não terá acesso — lamenta Ferreira.

Preços proibitivos

A dependência de importações afeta o Brasil de duas formas. Primeiro, a falta de estratégia de investimento em tecnologias obriga o país a pagar preços que já são proibitivos no exterior. Somada a isso, a desvalorização do real frente ao dólar torna as novas tecnologias ainda mais caras.

Ferreira destaca que o Brasil tem cientistas, dispõe de uma incipiente indústria de biotecnologia, mas não tem estratégia nacional e financiamento para a ciência. Segundo ele, o setor privado tem investido, mas os recursos não são suficientes para atender às necessidades do país.

Tabak está convicto de que a maior parte da população não terá acesso a tratamentos novos e a judicialização aumentará. E há risco ainda de os planos de saúde passarem a cobrar franquias.

— Ficará inviável para quase todos os pacientes. Pense que os remédios novos para leucemia custam R$ 100 mil por mês. Para que uma pessoa ganhe mais dois ou três anos de vida, toda a família ficará endividada. Isso é o que chamamos de toxicidade financeira do câncer e a razão pela qual muitos pacientes de câncer vão à falência ou morrem sem tratamento nos EUA, aonde não existe um SUS — frisa Tabak.

Ele diz que sem uma política nacional para o câncer, a conta não fechará jamais.

Fonte: O Globo 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive