Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Pandemia deve impactar o futuro do tratamento de câncer; congresso debate o tema

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/09/2021 - Data de atualização: 22/09/2021


Hoje o tratamento oncológico no país enfrenta uma série de dificuldades que deverão se estender pelos próximos anos: diagnóstico tardio de novos casos, filas maiores para procedimentos como radioterapia e piores prognósticos para quem enfrenta o câncer. Isso porque, durante a pandemia, a superlotação dos hospitais levou pacientes a atrasar ou interromper o tratamento da doença.

Esse foi o tema debatido na abertura do 8º Congresso Todos Juntos Contra o Câncer. O evento, realizado entre os dias 20 e 24 de setembro, contará com mais de 50 painéis e 150 palestrantes para discutir os impactos da pandemia no tratamento e no diagnóstico do câncer.

​“Houve um represamento dos pacientes oncológicos. Muitos não foram diagnosticados ou tiveram o tratamento interrompido para não elevar a taxa de ocupação dos hospitais”, afirma André Ballalai, engenheiro e associado do grupo IQVIA, multinacional de tecnologia da informação em saúde e pesquisa clínica.

Para ele, o próximo passo do sistema de saúde deve ser olhar para os dados disponíveis sobre a pandemia e ir além da operação padrão, vigente antes da Covid-19, para aumentar a capacidade de diagnóstico e tratamento. Isso evitaria um o aumento contínuo da fila de pacientes.

De acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer), de 2020 a 2022 o país chegará a 625 mil casos novos de câncer. Entre aqueles de maior incidência na população estão: câncer de pele não melanoma (177 mil casos), de mama e de próstata (66 mil cada um), cólon e reto (41 mil), pulmão (30 mil) e estômago (21 mil).

As medidas tomadas durante a pandemia foram uma tentativa de preservar o paciente, evitando ao máximo as idas ao médico.

“Essas medidas foram as melhores que poderiam ter sido tomadas baseadas na melhor informação que se tinha na época”, explica Felipe Roitberg, oncologista e membro do UICC Leadership Program —em português, programa de liderança da união internacional para o controle do câncer.

“Os pacientes estão chegando hoje no consultório com uma doença bem mais avançada”, diz Igor Morbeck, oncologista e integrante da diretoria da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica. O especialista afirma que é preciso olhar atentamente para os próximos anos para ter um retrato do impacto​s da pandemia nos pacientes oncológicos.

Ex-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o sanitarista Gonzalo Vecina Neto reforça a importância de que a assistência à saúde se aproxime dos pacientes que, devido à pandemia, se distanciaram do tratamento. “É hora de vacinar a população, trazer os pacientes para o hospital e começar a tratar as pessoas que estão com câncer e diagnosticar as pessoas que ainda não foram diagnosticadas”, diz.

O médico também afirma que é necessário chamar as autoridades públicas para o debate, qualificando os dados para transformá-los em políticas de acesso a medicamentos e métodos terapêuticos.

Além de trazer o assunto para debate público, Catherine Moura, médica e diretora-executiva da Abrale (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia), fala sobre a importância de abrir espaço para a participação do paciente na criação de estratégias para a retomada do tratamento.

“O paciente é o foco central e beneficiário último da oncologia. Ele contribui não só com demandas individuais mas também com demandas da sua realidade, do contato com o sistema de saúde durante a jornada de tratamento”, conta.

Fonte: Folha de S.Paulo



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive