Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Pacientes com câncer podem (e devem) praticar atividade física, diz oncologista

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/05/2022 - Data de atualização: 10/05/2022


A atividade física previne o câncer, mas também ajuda a combater a doença, podendo ser adotada independentemente do estágio e da gravidade do quadro. É o que afirma a oncologista clínica Daniela Dornelles Rosa, membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC).

A entidade divulgou, recentemente, o guia "Atividade física e câncer: recomendações para prevenção e controle", dirigido para profissionais da saúde, que salienta o benefício da prática personalizada para muitos pacientes, com redução na taxa de mortalidade.

O documento foi elaborado em conjunto por médicos e especialistas da área de Educação Física e traz orientações sobre como inserir a atividade física na rotina dos sobreviventes do câncer. A doença é a segunda causa de mortalidade no Brasil e no mundo. A expectativa é que, em 2040, cerca de 28 milhões de novos casos sejam diagnosticados.

Algumas situações, como um pós-operatório recente, limitam a atividade física, diz a oncologista. Certos tipos de câncer avançados também podem exigir a adoção de um programa mais adaptado, ou a administração de um analgésico, por exemplo, para aliviar dores antes da prática.

"O tipo de atividade física será adaptado à realidade do paciente. Um exemplo é alguém com câncer de pulmão e metástase, que sente um pouco de falta de ar. Mas existem estudos mostrando que qualquer atividade pode agir no controle dos sintomas e ajudar a pessoa a se sentir melhor", diz Daniela Rosa.

"De uma forma geral, a maioria dos pacientes deve se movimentar e praticar uma atividade física orientada pela sua equipe médica. Isso vale para todo tipo de câncer, em qualquer estágio", salienta a oncologista brasileira, lembrando que a recomendação vale, também, para quem está passando por uma quimioterapia ou radioterapia.

A especialista frisa ainda a importância de diferenciar a atividade física, que engloba qualquer gasto calórico, dos exercícios. "A atividade física pode ser recreacional, como por exemplo, caminhar ou levar o cachorro para passear, descer na parada de ônibus para caminhar um pouquinho mais, subir escada ou arrumar a casa. Tudo isso conta. Já o exercício físico é uma atividade mais estruturada, com repetição, como fazemos na academia, por exemplo", resume.

Objetivo é superação

Qualquer atividade física é benéfica, reitera, e não há esportes melhores do que outros. "O que existe é uma recomendação de quantidade e intensidade. Não é uma regra que deve ser seguida com rigidez, mas se sugere que, por semana, a realização de 150 a 300 minutos de atividade física leve a moderada seja o mínimo para prevenir algumas doenças, entre elas, o câncer", ressalta.

O objetivo, entretanto, é superar-se e tentar, cada dia, aumentar o tempo de atividade diária. A regra é quanto mais, melhor. Segundo a oncologista brasileira, não há dados sobre quantos pacientes oncológicos praticam exercícios no Brasil.  "Com a pandemia, isso ficou um pouco difícil de ser mensurado. Muitas pessoas pararam de se exercitar", lembra. "Agora, com a retomada, virando uma endemia, como acho que seja o caso, teremos mais oportunidade para medir isso", completa.

Com ou sem pandemia, alerta, o sedentarismo continua sendo um problema mundial. No Brasil, por exemplo, 30% das pessoas estão acima do peso, o que provavelmente está ligado à pouca atividade física. "Temos que estimular os profissionais de saúde para que recomendem exercícios aos seus pacientes. Nesse estágio da epidemia, não há mais desculpa: pode e deve ir para a rua. "

Fonte: Uol 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive