Tipos de Câncer

Câncer de Pele Basocelular e Espinocelular

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Tratamento Local para Câncer de Pele Basocelular e Espinocelular

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 07/09/2015 - Data de atualização: 26/03/2019


Várias outras técnicas, além da cirurgia, podem ser utilizadas para tratar o câncer de pele basocelular e espinocelular que não se espalhou para os gânglios linfáticos ou outros órgãos.

  • Criocirurgia (Crioterapia)

A criocirurgia é utilizada mais frequentemente para condições pré-cancerígenas, como queratose actínica e pequenos carcinomas basocelulares e espinocelulares.

Essa técnica consiste no uso de nitrogênio líquido aplicado diretamente no tumor para congelar e destruir as células anormais. Após o tratamento, o local apresenta uma casca, levando algumas semanas para cicatrizar. A área da pele tratada pode ficar descolorida após a terapia.

  • Terapia fotodinâmica

A terapia fotodinâmica pode ser utilizada para tratar queratoses actínicas. Mas seu papel ainda é desconhecido no tratamento do câncer de pele basocelular e espinocelular.

Este tratamento funciona por meio de uma reação fotoquímica em que o laser atinge uma região da pele onde se encontra a lesão e é aplicado um corante específico. Essa combinação é absorvida pelas células cancerígenas e pré-cancerígenas, que as destrói seletivamente por meio de um processo de oxidação celular, preservando a pele normal.

  • Quimioterapia tópica

A quimioterapia usa medicamentos que destroem as células cancerígenas. Na quimioterapia tópica um medicamento anticâncer é aplicado diretamente sobre a pele, na forma de creme ou pomada, em vez de ser administrada por via oral ou injetada.

5-fluorouracil. É o medicamento mais utilizado no tratamento tópico da queratose actínica, bem como de alguns tipos de cânceres de pele basocelulares e espinocelulares. É aplicado na pele uma ou duas vezes por dia durante várias semanas.

Quando aplicado diretamente sobre a pele sob a forma de um creme, o 5-FU atinge as células cancerígenas da superfície, mas não consegue atingir as células mais profundas ou que se disseminaram para outros órgãos. Por esta razão, o tratamento com 5-FU é usado apenas para lesões pré-cancerígenas, como queratoses actínicas e alguns tipos de câncer de pele superficiais.

Como só é aplicado na pele, o medicamento não causa os mesmos efeitos colaterais que podem ocorrer com a quimioterapia sistêmica. Mas pode provocar vermelhidão da pele e aumento da sensibilidade por algumas semanas, o que pode ser bastante incômodo para alguns pacientes. O 5-FU também aumenta a sensibilidade da pele à luz solar, por este motivo a área tratada deve ser protegida por algumas semanas, para prevenir queimaduras solares.

Diclofenaco. É utilizado, às vezes, em formato de gel no tratamento da queratose actínica. Este medicamento pertence ao grupo farmacológico dos anti-inflamatórios não esteroides, analgésicos, como o ácido acetilsalicílico e o ibuprofeno. É geralmente aplicado duas vezes por dia durante 2 ou 3 meses. Pode provocar reações na pele menos graves do que o 5-FU.

Ingenol mebutate. É um gel usado no tratamento da queratose actínica. O ingenol mebutate pode agir mais rapidamente do que outros géis tópicos. Ele é aplicado à pele durante 2 ou 3 dias. Esse gel pode causar reações cutâneas incômodas, mas que tendem a desaparecer após uma semana do início do tratamento.

  • Modificadores da resposta imunológica

Alguns medicamentos podem aumentar a resposta do sistema imunológico contra o câncer, fazendo com que o tumor se contraia e desapareça.

Imiquimod. É um creme que pode ser aplicado sobre a queratose actínica e alguns cânceres de células basais. Este medicamento faz com que o sistema imunológico reaja à lesão da pele e provoque sua destruição. É normalmente aplicado algumas vezes por semana, durante várias semanas.

Interferon. É uma versão artificial de uma proteína do sistema imunológico. Ele pode ser injetado diretamente no tumor para estimular a resposta imune contra ele. Pode ser uma opção quando a cirurgia não é possível, mas pode não ser tão eficaz como outros tratamentos.

  • Cirurgia a laser

Essa é usada, às vezes, no tratamento da queratose actínica, do carcinoma espinocelular in situ (doença de Bowen) e do carcinoma basocelular superficial. Entretanto, ainda não se sabe se este tipo de terapia é tão eficaz quanto os métodos convencionais de tratamento, por isso não é amplamente utilizada.

  • Peeling químico

Nesta técnica aplica-se uma pequena quantidade de ácido tricloroacético ou uma substância química similar no tumor, destruindo as células cancerosas em alguns dias. Esta abordagem é, às vezes, usada no tratamento da queratose actínica.

Para saber se o medicamento que você está usando está aprovado pela ANVISA, acesse nosso conteúdo sobre Medicamentos ANVISA.

Fonte: American Cancer Society (10/05/2016)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive