Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Oncoguia realiza 1º Fórum sobre desafios do melanoma no Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/11/2018 - Data de atualização: 20/11/2018


Pela primeira vez, o Instituto Oncoguia reuniu em São Paulo, no dia 12 de dezembro, especialistas, pacientes, gestores da saúde, entre outros públicos para debater os principais desafios dos pacientes com melanoma.

A doença representa apenas 3% dos casos de câncer de pele, mas é a causa da maioria das mortes em decorrência da doença.

Luciana Holtz abriu o evento apontando as principais estatísticas do melanoma no Brasil e falou sobre as expectativas em relação ao fórum: conhecer melhor a realidade do melanoma no Brasil, ouvindo a opinião dos especialistas, conhecer iniciativas que têm feito a diferença e dar voz aos pacientes. 

  • Melanoma: Ontem, hoje e amanhã, com Rodrigo Munhoz, oncologista especialista em tumores cutâneos e sarcomas do Hospital Sírio Libanês e Instituto do Câncer do Estado de São Paulo

Rodrigo Munhoz deu um panorama geral sobre o melanoma no Brasil e no mundo desde a descoberta da doença até os dias de hoje, passando por questões como prevenção, diagnóstico e tratamento. O especialista destacou o crescimento do número de casos da doença em todo o mundo, provocado principalmente pela falta de prevenção, de equipes treinadas para o diagnóstico precoce da doença e da falta de acesso da população à dermatologistas. 

Mesa Redonda: Os desafios da prevenção do melanoma, com moderação de Theo Rupert, editor no Grupo Abril

O especialista destacou a dificuldade brasileira para o diagnóstico do melanoma devido à deficiência de dermatologistas em importantes regiões brasileiras. Grande parte dos especialistas estão concentrados no Sul e Sudeste do país. Além disso, o desconhecimento da população sobre a doença também foi um aspecto abordado pelo médico como importante fator para a prevenção e diagnóstico precoce do melanoma. Por fim, Elimar apresentou o projeto Juntos Contra o Melanoma, que tem o objetivo de capacitar profissionais de outras áreas, como cabeleireiros, tatuadores, podólogos, manicures e pedicures para identificarem melanomas e orientarem os clientes quando devem procurar um especialista. 

Soraia contou um pouco da experiência do Melanoma Brasil no trabalho de acolhimento a pacientes com a doença e de fornecer informação de qualidade sobre o melanoma, doença que ainda é muito subestimada pela população em geral e até mesmo por familiares e amigos dos pacientes. “As pessoas não têm noção da gravidade do melanoma. Precisamos compreender que não é apenas um ‘cancerzinho’ de menor importância”, destacou a palestrante. 

Ao final, Soraia Nakano e Elimar Elias Gomes tiraram dúvidas sobre questões importantes relacionadas à prevenção do melanoma, uso de protetor solar e outras formas de proteção importantes.

Mesa redonda: Estou com melanoma e agora?

O melanoma é um tipo de câncer grave, porém com boas chances de cura quando diagnosticado precocemente. Porém a falta de acesso de grande parte da população a profissionais capacitados para o diagnóstico e o desconhecimento dos sinais e de fatores de identificação da doença, fazem com que muitos casos sejam descobertos já avançados e, portanto, com menores chances de cura. Em sua palestra, Alberto Wainstein destacou a dificuldade encontrada principalmente por pacientes que dependem do SUS, que, em vez de passarem pelo tratamento padrão para o melanoma – que é a cirurgia – acabam tendo que passar por medidas paliativas devido ao estágio avançado dos diagnósticos. 

  • Tratamento sistêmico do paciente com melanoma, com Rodrigo Munhoz, oncologista especialista em tumores cutâneos e sarcomas do Hospital Sírio Libanês e Instituto do Câncer do Estado de São Paulo

Entender quão avançada a doença está é um dos primeiros passos para ajustar o melhor tratamento para cada paciente. Alguns cenários podem necessitar de tratamentos adicionais após a cirurgia, principalmente em pacientes metastáticos, e em alguns casos é preciso realizar um tratamento preventivo em pacientes sem melanoma visível. Além de destacar as questões consideradas nessa decisão, Rodrigo Munhoz abordou ainda questões como a demora no tempo de aprovação de algumas novidades terapêuticas no Brasil e as diferenças nos tratamentos para pacientes que dependem do SUS versus aqueles que têm acesso à saúde suplementar.

Marina Sahade apontou os principais efeitos colaterais que podem ocorrer em pacientes com melanoma em tratamento com imunoterapia e terapia-alvo. A oncologista destacou ainda a importância de pacientes e familiares estarem atentos a qualquer alteração de sintoma ou sinal que surjam após a administração dos medicamentos, para que sejam relatados aos profissionais de saúde a fim de que se possa ser feito o manejo adequado destas intercorrências. 

Na mesa de debates final entre os três profissionais, eles responderam perguntas do público e destacaram que as principais questões que merecem atenção são: conscientização da população sobre o melanoma, investimento e facilitação de acesso ao diagnóstico precoce da doença e trabalhos de conscientização para a prevenção do câncer de pele.

Durante esta mesa, foram apresentados os resultados da pesquisa realizada pelo cliqueSUS e pelo Oncoguia sobre a administração de quimioterapia para pacientes com melanoma metastático no SUS durante o período de 2015 a 2017. Uma das principais conclusões do estudo foi a de que, de 4.338 pacientes, apenas 0,71% receberam um tipo de tratamento adequado. Outros 97,93% receberam tratamentos pouco eficazes e 1,35% tratamentos ineficazes. Saiba mais sobre a pesquisa.

Após a apresentação dos dados, houve um debate com os convidados:

- Sandro Martins, Coordenador-Geral da Atenção Especializada do Ministério da Saúde, membro da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias em Saúde (CONITEC).

- André Sasse, Presidente do Grupo Sonhe de Campinas, responsável pelos serviços de oncologia do Hospital Vera Cruz, Instituto do Radium.

- Hospital Santa Tereza e Alberto Wainstein, Cirurgião oncológico atuante na rede privada - Hospital Mater Dei, Hospital Vila da Serra e Hospital Vera Cruz - e na rede pública (SUS).  

Dentre os principais destaques do debate, que giraram em torno de questões importantes referentes ao funcionamento do SUS, os participantes comentaram sobre o que pode ser feito com os dados levantados pela pesquisa do Oncoguia; sobre a atualização de DDTs; obstáculos na incorporação de novidades terapêuticas e tecnológicas no SUS.

  • Vivendo com Melanoma, com Soraia Nakano, Diretora do Grupo de Apoio e Acolhimento à Pacientes do Melanoma Brasil e Carla Fernandes, assessora Jurídica do Melanoma Brasil

Pacientes de melanoma e voluntárias pela causa, Soraia e Carla contaram suas histórias desde a descoberta da doença até o momento presente, abordado questões como tratamentos adotados e dificuldades encontradas durante a jornada como pacientes oncológicas, como a judicialização para conseguir tratamento pelo SUS.

Fórum temático oncoguia sobre melanoma

Fórum temático oncoguia sobre melanoma

Fórum Melanoma 2018 | Estou com melanoma, e agora?

Oncologistas apresentaram os principais pontos sobre diagnóstico, tratamento e manejo de efeitos colaterais para pacientes com melanoma.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive