Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Oncoguia pede à população e às autoridades públicas mais atenção ao câncer de pulmão

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/09/2021 - Data de atualização: 02/09/2021


Reforçando o seu posicionamento de apoiar, informar e defender os direitos dos pacientes com câncer, o Oncoguia, organização sem fins lucrativos (ONG), apresentou à deputada Flávia Morais (PDT-GO), a importância de se discutir esse tema. A parlamentar prontamente protocolou um requerimento para realização de audiência pública na Câmara dos Deputados. O câncer de pulmão é o mais letal do mundo. A cada 30 segundos, alguém, em algum lugar do mundo, morre de câncer de pulmão. São 1,59 milhões de mortes pela doença, que mata mais do que o câncer de mama, de próstata e colorretal juntos. No Brasil, entre 2018 e 2020, 30,2 mil novos casos de câncer de pulmão, traqueia e brônquio foram diagnosticados. Além disso, quase 20% as pessoas que receberam a notícia do câncer eram no pulmão.

Durante a audiência pública realizada na semana passada, Luciana Holtz, presidente do Oncoguia, citou os principais gargalos e também algumas ações que podem ajudar a melhorar esse cenário, elencando prioridades para o combate, controle e cuidado com a doença. Essa lista de recomendações nasceu da escuta constante dos pacientes e também de encontros com especialistas.

Preconceito, desinformação e baixa empatia, bem como estigmas por conta da doença está diretamente associada ao tabagismo foram colocados como ponto de atenção. O foco deve também estar na ampla divulgação de sinais e sintomas e, em especial, considerando que, segundo uma pesquisa do GLCC - Global Lung Cancer Coalition, 50% dos entrevistados não conseguiram citar ao menos um sintoma da doença.

É importante seguir avançando nas políticas de controle do tabagismo, o que inclui a PL 362/2018 sobre o tratamento do tabagismo pelos planos de saúde, bem como iniciar uma séria discussão sobre a priorização de programas de rastreamento para pessoas dos grupos de alto risco para o câncer de pulmão.

Segundo dados do Radar do câncer de pulmão do Oncoguia, 85,6% dos pacientes iniciam seus tratamentos já nos estágios III e IV. A sugestão para esse grave gargalo é partir para a sensibilização de médicos da atenção básica para detecção precoce do câncer de pulmão, assim como melhorar e agilizar o acesso aos exames, ao pneumologista e ao diagnóstico precoce.

“Precisamos caminhar. Realmente prevenir mais, seguir combatendo o tabagismo, e criar estratégias que nos permitam diminuir as taxas elevadas de diagnósticos avançados. Para os pacientes diagnosticados, precisamos garantir o acesso a esse novo, possível e transformador cenário no diagnóstico e tratamento. São muitas as novidades que revolucionaram o cenário do câncer de pulmão, que precisam ser discutidas e disseminadas, pois estão ainda muito distantes daqueles que mais podem se beneficiar, os pacientes. Hoje, o paciente de câncer de pulmão, que convive com uma doença em um estágio mais avançado, pode e quer viver mais e melhor, precisamos garantir que isso realmente ocorra".

Um exemplo disto, é a corredora amadora Claudia Lopes, que teve o diagnóstico de pulmão em 2014 e quatro anos depois precisou lidar com uma recidiva. O câncer voltou com vários nódulos nos dois pulmões e Claudia segue em tratamento com terapia-alvo. Além disso, apoia-se na atividade física para enfrentar a doença e não deixou de correr pelas ruas.

"A conscientização da população é muito importante para desmistificar questões como a de que somente o cigarro é um fator de risco para o câncer de pulmão. Eu não era fumante. Informações e esclarecimentos podem facilitar toda a jornada do paciente. Quanto mais falarmos sobre o câncer de pulmão, mais pessoas poderão ser beneficiadas", afirmou Claudia.

A professora Iane Cardim também concorda ser preciso discutir sempre as diversas perspectivas do câncer de pulmão. Ela enfrentou muitas dificuldades com o diagnóstico da doença, em 2015. "Durante seis meses fui tratada como se tivesse uma sinusite. Cheguei a perder quase 20 quilos. Eu era fumante, mas o cigarro não é o único fator de risco, e isso precisa ser cada vez mais debatido", ressaltou Iane

Ambas são voluntárias do Oncoguia e compartilharam suas histórias com o câncer de pulmão, em uma live promovida pelo Oncoguia, que está disponível no Youtube no canal TV Oncoguia. A discussão contou ainda com a participação da presidente do Oncoguia Luciana Holtz e do oncologista Fernando Moura.

Matéria publicada pelo portal Segs em 02/09/2021.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive