Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Oncoguia participa de audiência sobre o Carcinoma Hepatocelular

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/05/2018 - Data de atualização: 25/05/2018


O que houve?

Foi realizada na Câmara dos Deputados, na quarta-feira (23), audiência pública conjunta da Comissão de Legislação Participativa e da Comissão de Seguridade Social e Família para debater sobre o Carcinoma Hepatocelular - CHC.

A requerente da audiência foi a deputada Flávia Morais (PDT-GO). Em sua justificativa, a deputada destacou que "o carcinoma hepatocelular é um tumor agressivo e leva à morte rapidamente após o início dos sintomas, sendo a terceira maior causa de morte por câncer no mundo”. O CHC é um câncer agressivo no fígado e não apresenta sintomas na fase inicial. Os principais fatores de risco são hepatite B e C, consumo excessivo de álcool e o acúmulo de gordura no fígado.

Paulo Bittencourt, presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH), explicou a importância da discussão do assunto, já que o câncer de fígado, como é comumente chamado o Carcinoma Hepatocelular, é a quinta causa mais comum de câncer em homem e a sétima em mulheres. No mundo, acredita-se que sejam 696 mil mortes por ano. Estima-se, também, que 88% dos pacientes não sabiam que eram portadores da doença, uma vez que o primeiro sintoma é o próprio câncer e 91% dos pacientes têm duas doenças simultaneamente: a cirrose e o CHC.

No Brasil, foram 26.200 casos nos últimos cinco anos. Entre 2014 e 2015 foram 5.487 pacientes diagnosticados. Além disso, Bittencourt elencou a dificuldade de tratamentos que possam levar à cura por conta do descobrimento tardio da doença, sendo possível somente ter acesso ao tratamento paliativo, que acontece em 62,2% dos casos. Outra questão relacionada ao SUS elencada por Bittencourt é a diferença de tratamento para quem trata no ICESP em São Paulo, que é um centro de alta complexidade, com tratamentos de qualidade, comparada a quem trata na região nordeste, por exemplo. Paulo também mostra avanços no plano de erradicação da Hepatite C até 2030, no entanto, espera-se que até lá existam 1 bilhão de pacientes com a doença. Uma sugestão trazida por Paulo é a criação de uma linha de cuidado ampla para os pacientes, com centros de atenção básica e ambulatórios de média e alta complexidade, além do acompanhamento multidisciplinar para os pacientes de CHC.

Sobre os avanços, Paulo elencou o avanço das políticas de vacinação, discussões para a melhoria da oncologia, negociações com a indústria farmacêutica e o melhor acesso aos pacientes de doenças raras. Por fim, Paulo falou da importância do encaminhamento do paciente com hepatopatia com alterações clínicas para média e alta complexidade, por ser fator determinante para o curso da doença.

Luciana Holtz, presidente e diretora executiva do Instituto Oncoguia, comentou sobre a barreira de acesso e diagnóstico. Entre as causas para a falta de diagnóstico precoce, elencou a falta de informação, o estigma da doença e a falta de monitoramento.

A pesquisa trazida por Luciana mostra que 61% das pessoas não conhecem os principais sintomas do CHC, 59% não conhecem os fatores de risco e, entre os que conhecem, 56% não relacionam a doença com outros fatores de risco diferentes do álcool. Para Luciana é preciso ter mais transparência, um modelo de financiamento das APACs e a criação de uma linha de cuidados para o paciente que englobe as diferentes instâncias.

Dentre os problemas atuais para os pacientes está a demora para o agendamento de exames, a falta de transparência, que dificulta saber o seu lugar na fila, a falta de infraestrutura e equipamentos e a ausência de uma linha de cuidado para o paciente.

Além disso, Luciana sugeriu fazer um trabalho para melhorar a informação da população e prolongar o programa do Ministério da Saúde para os pacientes com câncer de fígado. Sobre as diferenças do tratamento oncológico nas regiões do país, Luciana sugeriu a leitura do artigo escrito por ela em conjunto com especialistas do assunto chamado "diferenças no tratamento sistêmico do câncer no Brasil: meu SUS é diferente do teu SUS”.

Sandro José Martins, Coordenador Geral de Atenção Especializada do Ministério da Saúde, concordou sobre a necessidade de melhorar a linha de informação, tendo em vista que a maioria dos fatores de risco são preveníveis e muitos são amenizados quando a pessoa adota hábitos de vida saudáveis. Comentou também sobre a abordagem do câncer no SUS ser integral e integrada. Integral no sentido de que todas as modalidades disponíveis de tratamento e diagnóstico devem ser ofertadas de maneira tempestiva e integrada "porque sabidamente não é possível imaginar que só um centro possa oferecer e deva oferecer todas as modalidades necessárias para o tratamento das neoplasias”, afirmou Sandro.

O acesso ao tratamento de câncer pelo SUS aumentou 4,5% nos últimos 6 anos e houve aumento em 7,6% do número de transplantes de fígado entre 2007 e 2017, deixando o Brasil em segundo lugar em número absoluto de transplantes hepáticos em uma lista de 30 países, mesmo que o país ainda tenha uma baixa taxa de doadores.

Sandro comentou também que só em 2017, 301 hospitais foram habilitados em oncologia. No entanto, os gastos em tratamento aumentou o dobro do ano anterior. Sandro destacou a falta de conhecimento da sociedade sobre o CHC e a falta de oferta de tratamento equivalente. Sandro falou sobre o desafio da sustentabilidade em aumentar eficiência, aumentar a qualidade e diminuir os custos. Sobre a judicialização, Sandro afirmou que é um problema decorrente da percepção de dificuldades sofridas pelo Estado e que é sempre um ponto de atrito: - de um lado os gastos em judicialização prejudicam os cofres estaduais e da União; por outro, há o paciente que necessita do medicamento.

Luciano Santos, membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), explicou que o tratamento de CHC é bem estabelecido por diretrizes nacionais e internacionais, mas é preciso aprimorar o tratamento no SUS e reforçou a criação da linha de cuidados para cobrir o paciente de forma integral.

Luciano sugeriu unir os especialistas de sociedades médicas na área em uma mesma esfera para debater e elaborar políticas de saúde do Ministério da Saúde. "Devemos levar a mensagem que é uma doença ruim mesmo para quem trata adequadamente”, afirmou Santos. Para Luciano, é preciso discutir a questão do financiamento dos tratamentos disponíveis no SUS, já que a quimioterapia é o que tem de mais possível para o reembolso.

Carlos Norberto, presidente do Grupo Otimismo, falou que a mudança da forma do corpo do brasileiro nos últimos 50 anos aconteceu por uma mudança de alimentação e pelo sedentarismo e, por conta disso, precisamos falar mais detalhes sobre a importância da alimentação saudável, principalmente para que a população diabética do tipo 2 evite a evolução para o CHC. Norberto, em sua experiência, comprova que a maioria dos pacientes chega procurando pelo transplante e não pela prevenção. "Tem que melhorar o que vem antes do diagnóstico tardio”, afirmou Norberto.

E agora?

A deputada Flávia Morais (PDT-GO) pediu a realização de um relatório sobre o que foi discutido na Audiência Pública para que seja levado à Comissão de Seguridade Social e Família. 

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive