Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier Viatris


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Oncoguia contribui em CP para critérios de custo-efetividade

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/08/2022 - Data de atualização: 03/08/2022


No dia 01/08, foi encerrada a consulta pública nº 41 da Conitec que buscou contribuições sobre o uso de limiares de custo-efetividade nas decisões em saúde.

Criar um critério de custo-efetividade na saúde é de suma importância para promover o melhor tratamento aos pacientes, sendo que este considera qualidade e desfechos clínicos das tecnologias, com o menor custo de incorporação para o sistema de saúde. 

Na avaliação de tecnologia em saúde (ATS), o custo-efetividade se faz importante para que se tenha clareza sobre os resultados clínicos do medicamento e se esses resultados condizem com o preço praticado, buscando sempre que os gastos em saúde diminuam à medida que os ganhos clínicos aumentem.

A definição de critérios para análises de tecnologias a serem incorporadas no SUS é um grande desafio e o fato da Conitec ter proposto essa discussão e dar oportunidade para que a sociedade debata e contribua com o tema é um grande avanço na transparência da agência. Sendo que este é um trabalho complexo, mas que trará grandes benefícios para o processo de (ATS) brasileiro.

O Oncoguia debateu internamente e validou a contribuição desta CP com seus conselheiros estratégicos. Acreditamos que alguns pontos da proposta inicial precisam ficar ainda mais claros, para que ocorra a implementação de fato de um limiar.

Sobre os parâmetros que serão utilizados para a tomada de decisão

  • Entendemos que o critério de custo-efetividade e, no que concerne a custo-efetividade, o QALY, não devem ser usados de forma isolada de outros fatores.
  • É preciso deixar claro quais outros critérios poderão ser utilizados de forma complementar e em quais casos, mesmo que de forma não exaustiva.

Sobre o valor de referência de custo-efetividade

  • Qualquer que seja este valor, ele deve ser utilizado como ponto de partida da discussão.
  • É necessário que perguntas como: (i) qual o orçamento total disponível; e (ii) qual valor se aplica para as tecnologias que já foram incorporadas no SUS com recomendação positiva da Conitec, por área terapêutica, estejam disponíveis nas análises e sejam claras para a sociedade.

Sobre os contextos passíveis de limiares alternativos de custo-efetividade

  • Em casos que necessitem de limiares alternativos, entendemos que pode haver uma especificação ainda maior, para trazer maior clareza para a sociedade. Entendemos que o câncer é passível de um limiar alternativo.
  • Uma forma de deixar esses limiares alternativos mais claros é colocar nos relatórios de análise a classificação em uma das categorias definidas (doença acometendo criança, grave, rara ou endêmica) da patologia ou agravo alvo da tecnologia a ser analisada.
  • Entendemos que os contextos passíveis de limiares alternativos não devem ser definidos “a critério de julgamento da Conitec”, mas sim através de critérios objetivos previamente definidos. 

Questões complementares à discussão

  • É importante que haja uma discussão aprofundada sobre a qualidade das evidências apresentadas nos dossiês e pareceres técnicos, para sanar divergências entre comunidade médica, pagadores, decisores e sociedade em relação ao que pode ser considerado ou não uma evidência de qualidade.
  • A implementação de uma etapa para negociação de preço durante o processo de ATS irá possibilitar uma discussão mais objetiva e com ganhos para o processo como um todo. 
  • O processo de ATS na saúde suplementar, capitaneado pela Cosaúde/ANS, vem apresentando boas práticas interessantes para a maior transparência e participação social, que podem ser absorvidas também no processo do SUS.

Acesse nossa contribuição na íntegra aqui.

Conteúdo produzido pela equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive