Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

OMS lança novas diretrizes sobre prevenção e tratamento do câncer cervical

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 12/07/2021 - Data de atualização: 12/07/2021


Uma estratégia para eliminar o câncer cervical — também conhecido por câncer de colo de útero — foi endossada pela OMS (Organização Mundial da Saúde), no ano passado. No início deste mês, a agência publicou uma série de recomendações para combater a doença em todo o mundo.

No documento, os países-membros pediram que 70% das mulheres do globo fizessem o exame regular para evitar a doença e que 90% daquelas que precisam de tratamento, recebessem o atendimento.

Vacinação

O câncer de colo do útero é arrasador. Em 2020, mais de 500 mil mulheres foram diagnosticadas com ele e quase 342 mil morreram, a maioria em países pobres. Mas esta é uma doença que pode ser evitada com exames e tratamentos acessíveis e eficientes.

Além da vacinação contra o HPV, vírus do papiloma humano, a implementação da nova estratégia pode prevenir 62 milhões de mortes nos próximos 100 anos.

A OMS afirma que as novas diretrizes guiarão o investimento em saúde pública para melhorar os diagnósticos do câncer cervical fortalecendo processos, opções de exame que possam alcançar mais mulheres e salvar mais vidas.

As novas regras recomendam um teste de DNA de HPV em vez de uma inspeção visual com ácido acético ou por citologia, que é o exame do tecido, conhecido como papa Nicolau, que é mais usado globalmente para detectar lesões pré-cancerígenas.

HIV

O exame de DNA consegue detectar as cepas de alto risco que podem vir a causar todos os tipos de câncer cervical e a margem de erro é muito pequena. O teste é também mais simples e mais barato por ajudar a salvar mais vidas.

A OMS sugere que as amostras que podem ser coletadas pela própria mulher sejam usadas no teste do DNA de HPV, uma vez que as pacientes ficam mais à vontade quando podem fazer o auto exame em casa, sem precisarem ir a um consultório.

Aquelas pacientes que têm problema de imunidade como as que vivem com HIV são mais propensas ao câncer cervical e a infecções do HPV. Este quadro resulta num risco seis vezes maior entre as soropositivas.

As novas diretrizes incluem recomendações específicas para mulheres com HIV. Para essas pacientes, a sugestão do exame é a partir de 25 anos, um pouco mais cedo que para o resto da população que começa com 30.

Ainda este ano, a OMS deve publicar um relatório sobre a situação do câncer de colo do útero em vários países com base em dados dos respectivos Ministérios da Saúde. A meta é fazer uma análise sobre a situação até 2030.

Fonte: Uol



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive