Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

OMS alerta sobre desigualdades no acesso ao tratamento do câncer infantil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/02/2022 - Data de atualização: 17/02/2022


No Dia Internacional do Câncer Infantil, a OMS (Organização Mundial da Saúde) destaca as desigualdades no acesso ao tratamento da doença pelo mundo.

Dados da agência apontam que, anualmente, 400 mil crianças e adolescentes de até 19 anos são diagnosticados com a doença. Os tipos mais comuns são leucemias, cânceres cerebrais, linfomas e tumores sólidos.

Cura

Em países de alta renda, onde há serviços acessíveis, mais de 80% das crianças com câncer são curadas. Já em nações de baixa e média rendas, o número cai para 30%.

De acordo com dados da agência, um enorme progresso na sobrevivência ao câncer infantil foi feito nas últimas décadas. A maioria pode ser curada com medicamentos e tratamento, incluindo cirurgia e radioterapia.

No entanto, estudos feitos pelo Escritório Regional da OMS na Europa mostram que há importantes lacunas no acesso ao tratamento e atendimento de pacientes jovens.

O relatório detalha que a taxa de sobrevida global aumentou nas últimas seis décadas, graças a novos medicamentos, diagnóstico precoce e acesso a cuidados.

No entanto, esse progresso não aconteceu em todo o continente. A diretora técnica sênior da OMS na Europa, Marilys Corbex, explica que a taxa de mortalidade varia de 9% a 57%.

Para ela, essa diferença escancara as desigualdades entre a população mais jovem e vulnerável. No estudo, foram avaliados mais de 50 países da Islândia ao Quirguistão.

Américas

A Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) destaca que a sobrevida média é de 55%. Os dados divulgados apontam que o câncer é a segunda causa de morte em pessoas de até 19 anos na região, que registra cerca de 29 mil casos por ano.

O diretor de doenças crônicas e saúde mental da Opas, Anselm Hennis, afirma que a maioria das crianças com câncer vive em países de baixa e média rendas.

Nesses locais, há desigualdades desde a detecção precoce até o acesso a tratamento de qualidade e cuidados paliativos. A Opas está promovendo uma iniciativa para dobrar a taxa global de cura do câncer infantil para 60% até 2030.

Atualmente, 13 países latino-americanos participam do projeto com planos nacionais de câncer infantil e maior acesso ao diagnóstico e tratamento, com assistência técnica da Opas.

Falta de diagnóstico

As mortes evitáveis por câncer infantil em países de média e baixa rendas são o resultado da falta ou imprecisão de diagnóstico, obstáculos ao acesso aos cuidados, abandono do tratamento, toxicidade e recaída.

Apenas 29% dos países de baixa renda relatam que os medicamentos contra o câncer são disponibilizados para suas populações, em comparação com 96% das nações de alta renda.

A OMS afirma que os dados disponíveis sobre o câncer infantil são necessários para impulsionar melhorias contínuas na qualidade do atendimento e para informar as decisões políticas.

Fonte: Uol 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive