Especial

Qualidade de vida


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

O que é uma Vida Sexual Normal?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/02/2016 - Data de atualização: 16/02/2016


Existe uma grande variedade de práticas e atitudes sexuais entre as pessoas, o que torna difícil definir o que seja "normal". Alguns casais fazem sexo diariamente. Para outros, uma vez por mês é suficiente. Muitas pessoas veem o sexo oral como algo normal, mas alguns acreditam que não é uma forma adequada. Normal para você e sua/seu parceira(o) é o que dá prazer juntos. Ambos os parceiros devem concordar com o que torna sua vida sexual prazerosa e agradável.

É frequente as pessoas com diagnóstico de câncer perderem o interesse ou o desejo sexual. Dúvidas e medos, junto com a doença e os efeitos colaterais do tratamento, podem fazer você se sentir fora do seu estado normal. Às vezes, a preocupação com sua saúde pode ser muito maior do que seu interesse em sexo. Mas, com a volta a sua rotina habitual, seu interesse pelo sexo pode retornar.

Algumas pessoas pensam que sexo é só para os jovens, e que os mais velhos perdem seu desejo sexual e/ou sua capacidade de ação. Essa forma de pensar é em grande parte mito. Muitos homens e mulheres podem e se mantém sexualmente ativos até ao fim da vida. É verdade que a função e resposta sexual podem mudar ao longo do tempo com a idade. Por exemplo, as mulheres podem observar alterações quando envelhecem, às vezes antes mesmo da menopausa. A diminuição do desejo sexual e secura vaginal podem aumentar durante e após a menopausa. Os homens também apresentam mudanças com a idade. Mais da metade dos homens com mais de 40 anos têm pelo menos um problema com a ereção. Esse problema geralmente piora conforme envelhecem. Por exemplo, 3 em cada 10 homens entre 40 e 49 anos têm algum problema de ereção (disfunção erétil). Já em grupos acima de 70 anos, aproximadamente 9 em cada 10 homens tem algum problemas de ereção.

Às vezes, os problemas sexuais giram em torno de ansiedade, tensão ou outras dificuldades do relacionamento. Outras vezes, eles podem ser o resultado de uma condição física, clínica ou dos próprios medicamentos que provocam ou agravam os problemas sexuais.

Além da idade, existem outros fatores de risco que podem provocar disfunção erétil ou outras alterações sexuais, como:

  • Tabagismo.
  • Diabetes. 
  • Doença cardiovascular.
  • Hipertensão.
  • Níveis elevados de colesterol.
  • Alguns medicamentos para controle da pressão alta ou antidepressivos.

Mas, a maioria destas alterações podem ser tratadas de várias maneiras, como, por exemplo, com medicamentos, cirurgia e outros tratamentos para ajudar as pessoas a lidarem com o problema. Se você quer manter sua vida sexual ativa, muito provavelmente você poderá procurar assistência médica. Mas, o melhor é encontrar a forma como você e sua/seu parceira(o) busquem o prazer juntos.

O que é uma resposta sexual saudável?


A resposta sexual tanto em homens como em mulheres tem 4 fases:

  • Desejo.
  • Excitação. 
  • Orgasmo. 
  • Resolução.

Uma pessoa geralmente passa por todas as fases e nessa ordem. Mas, essa resposta pode ser interrompida em qualquer fase. Por exemplo, não precisa atingir o orgasmo cada vez que você sente desejo sexual.

Desejo - É o interesse na atividade sexual. Você pensa em sexo, se sente atraído por alguém, ou se sente frustrado por falta de sexo. O desejo sexual é uma parte natural da vida desde a adolescência.

Excitação - É a fase em que a pessoa se sente excitada ou estimulada. O toque e a carícia são mais prazerosos e intensos quando uma pessoa está excitada. A excitação pode também resultar de fantasias sexuais ou ao observar cenas sensuais, sons, aromas e gostos. Fisicamente, a excitação significa:

  • O coração bate mais rápido.
  • A pressão arterial sobe.
  • A respiração fica agitada. 
  • O sangue é enviado para a área genital, onde a quantidade de sangue favorece uma ereção. 
  • A pele dos órgãos genitais assume uma cor mais vermelha ou roxa mais escura.
  • O corpo pode suar ou ficar mais quente.

Orgasmo - É o clímax sexual. Em homens e mulheres, o sistema nervoso cria um prazer intenso na área genital. Os músculos ao redor dos órgãos genitais contraem-se em ritmo, enviando sensações através do corpo. Nos homens, essas contrações musculares causam a ejaculação.

Resolução - Ocorre após alguns minutos após o orgasmo. O corpo retorna ao estado não excitado, os batimentos cardíacos e a respiração diminuem, o sangue extra é drenado da área genital e a excitação mental diminui.

Se uma pessoa se excita, mas não atinge o orgasmo, a resolução ainda ocorre, porém mais lentamente. Não é prejudicial se excitar sem chegar ao orgasmo, embora possa ser frustrante. Alguns homens e mulheres podem sentir uma leve dor até o fluxo de sangue normalizar.

Período refratário - Os homens têm um tempo depois do orgasmo, em que eles são fisicamente incapazes de ter outro orgasmo. Esta fase é denominada período refratário, e tende a tomar mais tempo a medida que o homem envelhece. Para um homem de 70 anos pode ser necessário um intervalo de dias entre orgasmos. As mulheres não têm período refratário. Algumas podem ter orgasmos múltiplos, com pouco tempo de recuperação entre eles.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive