Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

O que é melanoma? Brasileiros desconhecem o câncer de pele mais letal

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/05/2018 - Data de atualização: 16/05/2018


Divulgada em maio, Mês da Conscientização do Câncer de Pele, uma pesquisa do Instituto Datafolha – encomendada pela farmacêutica Bristol-Myers Squibb – revela que 78% da população brasileira entrevistada não sabe o que é melanoma. Os dados preocupam porque, apesar de ser um tipo menos comum de tumor de pele, ele é o que mais mata.

Então… o que é melanoma?

Trata-se de um câncer que se origina nos melanócitos, as células produtoras de melanina (substância que determina a cor da pele). Ele é especialmente perigoso porque tem uma capacidade considerável de se disseminar para outros tecidos do corpo. Ou seja, se não detectado precocemente, gera metástases que tornam o quadro mais sério.

De acordo com Agência Internacional de Pesquisa Sobre o Câncer (Iarc), da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 200 mil novos casos de melanoma são registrados por ano no mundo. No Brasil, a previsão do Instituto Nacional do Câncer (Inca) é a de que 6 260 pessoas receberão o diagnóstico da doença em 2018.

Isso representa apenas 3% de todos os casos de câncer de pele. Porém, segundo dados do Inca, o número de mortes provocadas por melanoma (1 547) quase equivale ao de todos os outros tumores de pele juntos (1 769), o que reforça o conceito de ser uma enfermidade menos comum, porém muito mais perigosa.

O melanoma tem predominância em adultos brancos. A exposição ao sol e o histórico familiar também são fatores importantes. Entre os sintomas, destacam-se manchas na pele, feridas que não cicatrizam e pintas que mudam de aparência.

Se flagrado em estágio inicial, as chances de cura são consideráveis. E o recado positivo é que, nos últimos anos, surgiram armas que aumentaram bastante o tempo e a qualidade de vida mesmo dos pacientes com melanoma metastático (disseminado para outros órgãos do corpo). Esses medicamentos pertencem à imunoterapia.

Mais sobre a pesquisa

O estudo do Datafolha reuniu 2 077 brasileiros do país inteiro. Os respondentes, entrevistados pessoalmente, tinham mais de 16 anos e havia representantes de todas as classes econômicas.

Além de reportar um desconhecimento sobre o melanoma de forma geral, o levantamento mostra que a população não consegue identificar corretamente as causas da doença. O único vilão destacado pela maioria dos voluntários foi a exposição excessiva à radiação ultravioleta – 86% das respostas incluíram esse fator.

As menções a herança genética (36%), excesso de pintas no corpo (36%) e etnia (20%), importantes fatores de risco, ficaram abaixo do desejado. Aí que está: principalmente o pessoal que se encaixa em algum desses itens deveria conversar com um médico a respeito do problema.

Sobre os sintomas, 77% dos respondentes afirmaram que o melanoma pode se manifestar na forma de manchas na pele. Entretanto, não mais do que 39% citaram machucados na pele que não cicatrizam como outro sinal.

E, com falta de informação, a chance de detectar um câncer de pele nos seus primeiros passos cai bastante. Uma pena: como já dissemos, o diagnóstico precoce é uma das principais armas para se livrar do melanoma.

Por isso, não deixe de usar protetor solar, fique atento a qualquer pinta diferente na pele e consulte o dermatologista regularmente.

Fonte: Saúde é Vital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive