Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Número de tabagistas em tratamento no SUS reduz em mais de 60% durante a pandemia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/08/2021 - Data de atualização: 25/08/2021


Dados do Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) indicam uma redução de 66% no número de fumantes em tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), durante o ano de 2020 em relação a 2019. Entre as regiões brasileiras, a maior queda provocada pela pandemia foi no Sudeste, com 68%. A região Nordeste registrou 66%, seguida do Centro Oeste (63%), Sul (62%) e Norte (59%).

De acordo com a psicóloga Vera Borges, da Divisão de Controle do Tabagismo do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a pandemia interferiu diretamente no tratamento desses pacientes, que deixaram de ir aos hospitais. “Com as unidades de saúde atendendo quase que exclusivamente casos de Covid-19, algumas pessoas evitaram a ida e a permanência em instituições de saúde”, apontou.

A expectativa da instituição é de que o número de atendimentos aos tabagistas no SUS seja ampliado e volte ao patamar anterior à pandemia. O relatório produzido pelo Inca revela ainda que, apesar da pandemia, cerca de 68 mil tabagistas procuraram atendimento no início do ano passado em todo país.

“O tabagismo é uma doença crônica e também é fator de risco para outras enfermidades importantes e que são as principais causas de mortalidade da população, como as cardiovasculares, as respiratórias e o câncer”, destaca Liz Almeida, coordenadora de Prevenção e Vigilância do Inca.

No Brasil, o tabagismo mata 162 mil pessoas por ano. Cerca de R$ 125 bilhões são gastos dos cofres públicos anualmente para cobrir despesas com doenças causadas pelo cigarro. Esse custo equivale a 23% do que o Brasil gastou, em 2020, com o enfrentamento à Covid-19.

O alto custo do tabagismo não inclui os gastos do SUS para tratar a dependência de nicotina, considerada uma das medidas médicas mais efetivas quando comparada com o tratamento das doenças causadas pelo uso de produtos do tabaco.

“A Reforma Tributária, em debate no Congresso Nacional, representa uma oportunidade para acrescer o efeito do aumento de preços e impostos sobre tabaco como indutor da cessação de fumar e na prevenção da iniciação no tabagismo entre crianças e adolescentes. Também representa uma oportunidade para vincular recursos para garantir a implementação plena da Convenção-Quadro da OMS para o Controle do Tabaco no Brasil, incluindo a ampliação da cobertura do tratamento para cessação de fumar para as populações de menor renda e escolaridade, que concentram as maiores prevalências de fumantes”, reforça Tânia Cavalcante, secretária executiva da Comissão Nacional para a Implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco.

O consumo do tabaco e a exposição à sua fumaça são fatores de risco para doenças crônicas, o que leva a 8 milhões de mortes no mundo anualmente.

“Parar de fumar sempre vale a pena, em qualquer momento da vida, em especial, durante a pandemia de uma doença respiratória grave, para a qual o tabagismo é um fator que pode aumentar o risco de complicações e morte”, reforça a especialista.

Campanha e eventos

Em celebração ao Dia Nacional de Combate ao Fumo, comemorado em 29 de agosto, o Inca fará uma série de debates sobre o tema no canal da instituição no Youtube.

Nesta quarta-feira (25), será apresentada a campanha “A melhor escolha é não fumar”, desenvolvida em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Além disso, os especialistas vão detalhar dados do relatório Tratamento do Tabagismo no SUS durante a Pandemia de Covid-19.

No dia 27, o Inca participa da audiência pública promovida pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados com o tema: “Reforma Tributária: um mecanismo para corrigir as distorções entre o que o Estado gasta em decorrência das doenças tabaco relacionadas e o que arrecada com impostos incidentes sobre produtos de tabaco”. A transmissão será feita pelo Canal da Câmara dos Deputados, no YouTube.

No próximo dia 31, às 9h30, o Inca e a Associação Médica Brasileira (AMB) apresentarão o seminário online “Abordagem Mínima na Cessação do Tabagismo”. E para encerrar a programação, no dia 2 de setembro, o instituto vai divulgar as cartilhas do PNCT que foram áudio descritas por meio da parceria com o Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow (Cefet) – “Projeto Tá na Rede” -, e a Universidade Federal Fluminense (UFF) – “Projeto Olhos Meus”.

Fonte: CNN Brasil 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive