Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Novo tratamento contra o câncer traz mais esperança a pacientes

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/08/2021 - Data de atualização: 03/08/2021


Uma nova técnica promete dar mais esperança aos pacientes que têm doenças oncológicas, principalmente as neuro-oncológicas (os tumores no cérebro). Trata-se da terapia de prótons, considerada a forma de radioterapia mais avançada.

Diferente do que é feito na terapia de radiação tradicional, esse tratamento usa feixes de prótons com alto conteúdo de energia para radiar tumores.

Técnica pode ser usada para tratar vários cânceres

O tratamento tem alta precisão, entregando doses altas de radioterapia no volume-alvo e reduzindo a dose espalhada nos tecidos adjacentes. Portanto, a técnica tem menores efeitos colaterais, uma vez que produz menos danos aos tecidos sadios em volta do tumor.

‘Graças às vantagens, essa terapia de prótons é uma esperança interessante e pode ser usada para tratar vários cânceres, principalmente em situações nas quais as opções de tratamento são limitadas e a radioterapia convencional com feixes de fótons apresenta riscos inaceitáveis para os pacientes, incluindo os casos de cânceres cerebrais, de cabeça, pescoço, próstata e pulmão’, explica Gabriel Novaes de Rezende Batistella, médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (Snola).

O médico comenta que, recentemente, uma criança equatoriana de sete anos chamada Ahinara teve o sarcoma cerebral (um tipo de tumor) completamente eliminado após viajar para Madri (Espanha) com a família a fim de iniciar o tratamento na Unidade de Terapia de Prótons que a Clínica Universitária de Navarra mantém em sua sede.

Menos efeitos secundários

Segundo Batistella, ao contrário do que ocorre com o tratamento de radioterapia convencional, o feixe de próton visa diretamente o tumor e não o ultrapassa na direção de tecidos cerebrais saudáveis. Por esse motivo, os pacientes têm menos efeitos secundários.

Esse tratamento é novo, mas não está disponível em todos os lugares. No mundo todo, estima-se que existam apenas 107 unidades que utilizam a tecnologia da terapia de prótons, em apenas 20 países.

O motivo é o preço, uma vez que o acelerador de partículas de prótons é diferente dos aceleradores lineares que geram fótons. O custo de instalação é mais caro, bem como a operação e a manutenção. Batistella conta que é esperado que essa realidade possa ser revertida em um futuro próximo.

Trata-se de um tratamento importante, principalmente no caso de tumores pediátricos, já que a maioria dos tumores infantis são cerebrais e, quando as crianças sobrevivem ao câncer, ficam com sequelas, por conta dos tratamentos.

‘Essa terapia é menos tóxica. A radiação que atinge os vasos, artérias e sangue é minimizada, o que ajuda a proteger o sistema imunológico do paciente’, explica o neuro-oncologista.

No caso da menina Ahinara, foram 30 sessões até eliminar completamente o tumor. O disparo dos feixes de prótons é rápido, levando em média um minuto, mas a preparação para o disparo é o que mais conta nesse tipo de tratamento: o posicionamento do corpo na máquina para realizar o disparo certeiro pode levar até meia hora.

‘No caso de crianças, para que não se mexam no momento do disparo, é possível usar anestesia com gases. Mas esse procedimento não dói’, diz o médico.

Argentina

Na América do Sul, a Argentina prepara um centro construído em Buenos Aires especificamente para aplicação dessa terapia, o que pode ser esperança para muitos pacientes que atualmente viajam aos Estados Unidos para fazer esse tipo de tratamento.

Em 2017, foi registrado e liberado pela Anvisa o primeiro sistema de protonterapia no Brasil; porém, até agora, talvez pelos altos custos, nenhuma entidade, pública ou privada, oferece o tratamento no país.

Fonte: Panorama Farmacêutico

 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive