Tipos de Câncer

Câncer de Ânus


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Novidades no Tratamento do Câncer de Ânus

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/10/2015 - Data de atualização: 26/11/2017


Pesquisas sobre o câncer de ânus estão em desenvolvimento em diversos centros médicos no mundo inteiro, promovendo grandes avanços nas áreas de:

  • Causas e Prevenção

O vírus do papiloma humano (HPV) é uma das maiores causas do câncer de ânus. Os pesquisadores estão estudando como que o HPV pode afetar as moléculas dentro das células do ânus tornando-as cancerígenas. Uma melhor compreensão das alterações moleculares no interior dessas células é esperada para ajudar no desenvolvimento de novos medicamentos para combater a doença.

  • Detecção Precoce

Estão em andamento algumas pesquisas sobre o valor dos exames de rastreamento para o câncer de ânus, principalmente em pessoas com fatores de risco importantes. Um exame que está sendo estudado é a citologia do ânus, denominado exame de Papanicolaou de ânus. Este exame pode ser útil no diagnóstico precoce do câncer de ânus e de lesões pré-cancerígenas, denominadas neoplasia intraepitelial de ânus. Alguns médicos já estão recomendando esse exame para pessoas com alto risco de câncer de ânus, como aqueles que são HIV positivo.

  • Tratamentos

Como o câncer de ânus é raro, muitas vezes, se torna difícil obter um número suficiente de pacientes para participar de estudos clínicos com novos tratamentos. Ainda assim, os pesquisadores estão estudando como melhorar os tratamentos atuais e desenvolver novos para ajudar os pacientes com câncer de ânus.

  • Radioterapia

Nos últimos anos, estudos têm demonstrado os benefícios da combinação da radioterapia com a quimioterapia. Esta abordagem tem reduzido o número de cirurgias do câncer de ânus, incluindo a necessidade de colostomia permanente.

Novos agentes radiossensíveis - quimioterapia e outras medicações que aumentam o efeito da radioterapia - estão em fase de estudo em ensaios clínicos. Os tratamentos combinados permitem que os pacientes recebam menores doses de radiação e quimioterapia, o que poderia diminuir os efeitos colaterais.

Os médicos estão administrando a radioterapia com mais precisão e eficiência, o que diminui os efeitos nos tecidos normais saudáveis. Outra pesquisa em andamento envolve os possíveis benefícios da combinação da radioterapia convencional com a braquiterapia.

  • Cirurgia

Os médicos também estão avaliando como melhorar as técnicas cirúrgicas e seus efeitos colaterais, por exemplo, os estudos estão agora voltados para a implantação de um esfíncter intestinal artificial. A esperança é que este esfíncter artificial evite a necessidade de uma colostomia permanente. Atualmente esse tratamento está disponível apenas em ensaios clínicos cuidadosamente monitorados.

  • Quimioterapia

A quimioterapia administrada junto com a radioterapia é um tratamento eficaz para muitos cânceres de ânus, mas os medicamentos utilizados podem provocar efeitos colaterais severos em alguns pacientes. Os pesquisadores estão estudando se a administração de doses maiores ou menores dos medicamentos quimioterápicos, em determinados pacientes, ajudaria no tratamento da doença ao mesmo tempo que limitasse os efeitos colaterais. Estudos com novos medicamentos quimioterápicos também estão em andamento.

  • Terapia Alvo

Os pesquisadores estão entendendo cada vez mais o funcionamento interno das células e as alterações que as tornam cancerígenas e desenvolvendo novos medicamentos específicos que tem como alvo essas alterações. As terapias alvo funcionam de forma diferente dos quimioterápicos convencionais, e muitas vezes têm efeitos colaterais menos graves.

Por exemplo, muitos tipos de câncer de ânus têm a proteína EGFR em suas células, o que determina seu crescimento. Algumas terapias específicas que têm como alvo o EGFR, como o cetuximab e o panitumumab, que já estão em uso para tratar outros tipos de câncer, estão sendo avaliadas para uso com quimioirradiação no tratamento do câncer de ânus.

  • Imunoterapia

A imunoterapia aumenta a resposta do sistema imunológico do organismo contra as células cancerosas. Diversos estudos com diferentes tipos de imunoterapia estão em andamento para tratamento do câncer de ânus.

Tratamento com Vacinas. As vacinas contra o HPV estão disponíveis para ajudar na prevenção da infecção pelo vírus papiloma humano, mas não para o tratamento de infecções já existentes. Os pesquisadores também estão trabalhando no desenvolvimento de vacinas para o tratamento de pessoas já infectadas pelo HPV, de modo a fazer com que as células do sistema imunológico atuem sobre as células infectadas com HPV. Outro objetivo da pesquisa é ajudar o sistema imunológico a atacar as lesões pré-cancerígenas e até mesmo outros cânceres provocados pelo HPV. Uma vacina experimental mostrou resultados promissores no tratamento de pré-cânceres de vulva, mas os resultados para o câncer de ânus ainda não estão disponíveis. Outra vacina contra o HPV está em estudo para uso com quimioirradiação.

Imiquimod.
Alguns estudos também estão avaliando o uso do creme imiquimod para o tratamento da neoplasia intraepitelial de ânus. O imiquimod é um medicamento usado para o tratamento de verrugas anais e genitais, que atua aumentando a resposta do sistema imunológico do organismo. Ele tem sido usado para tratar homens HIV positivo, com bons resultados.

Tumor Linfoide Infiltrante. O câncer de ânus avançado é difícil de ser tratado. Em um estudo em andamento, uma parte do tumor é removido cirurgicamente. Os glóbulos brancos presentes na amostra que estavam interagindo com o tumor, conhecidos como tumor linfoide infiltrante, são cultivados em laboratório e, em seguida, devolvidos ao paciente para tratar o restante do tumor. A interleucina-2 (IL-2) é administrada junto com as células do sistema imunológico, o que ajuda às células a permanecem vivas e destruírem os tumores. Esta abordagem ainda está em fase inicial de estudo.

Fonte: American Cancer Society (20/01/2016)

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive