Tipos de Câncer

Câncer de Testículo


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Novidades no Tratamento do Câncer de Testículo

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 11/05/2013 - Data de atualização: 11/07/2018


Muitas pesquisas sobre câncer de testículo estão em desenvolvimento em diversos centros médicos no mundo inteiro, promovendo grandes avanços em prevenção, detecção precoce e tratamentos.

  • Genética

Nos últimos anos, os pesquisadores descobriram alterações nos genes PLAP, NANOG, SOX2 e REX1, que parecem estar associados ao câncer de testículo. Esses achados podem ajudar a identificar os homens com maior risco, mas ainda são necessários mais estudos.

Os pesquisadores também estão estudando as alterações no DNA das células  do câncer de testículo para compreenderem as causas desta doença. As mutações em certos genes encontradas nas células do câncer de testículo estão ligadas à resistência à quimioterapia. Esses achados podem ajudar a individualizar o tratamento e a encontrar novos medicamentos para tratar a doença. Uma melhor compreensão das alterações genéticas ajudará os médicos a decidir quais pacientes precisam de tratamentos adicionais e quais podem ser tratados com segurança apenas com a cirurgia.

  • Tratamento

Os ensaios clínicos têm melhorado as abordagens dos médicos para tratar estes tipos de câncer e espera-se com isso responder algumas questões adicionais. Por exemplo, alguns estudos identificaram fatores que ajudam a prever quais pacientes têm um bom prognóstico e podem não precisar da cirurgia de linfonodos ou radioterapia. Outros estudos também detectaram fatores prognósticos desfavoráveis que sugerem que alguns pacientes podem se beneficiar de um tratamento mais intensivo.

Novos medicamentos e novas combinações estão sendo testadas em pacientes com recidiva ou que não respondem ao tratamento.

Também está sendo estudada a quimioterapia de altas doses, seguida por transplante de medula óssea, para alguns pacientes com prognóstico desfavorável.

A biópsia do linfonodo sentinela é usada para outros tipos de câncer para limitar a quantidade de linfonodos removidos, o que pode diminuir o risco de efeitos colaterais a longo prazo. Os pesquisadores estão analisando como esse procedimento pode ser usado no câncer de testículo.

Outras pesquisas estão estudando a cirurgia assistida por robô para remover os linfonodos após a quimioterapia. Parece ser uma opção segura em vez da cirurgia aberta padrão, mas são necessárias mais pesquisas para comprovar sua eficácia e benefícios.

Fonte: American Cancer Society (17/05/2018)

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive