Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Nova terapia para câncer de pulmão se mostra mais eficaz que quimioterapia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/10/2019 - Data de atualização: 01/10/2019


O câncer de pulmão é o segundo mais comum em homens e mulheres no Brasil. (IStock/Getty Images)

Durante o Congresso da Sociedade Europeia de Medicina Oncológica (ESMO, na sigla em inglês), que aconteceu este final de semana em Barcelona, na Espanha, pesquisadores apresentaram uma importante descoberta para o tratamento de câncer de pulmão avançado. O novo estudo indica que a imunoterapia composta por nivolumabe e ipilinumabe promove 7% maior taxa de sobrevida em um período de dois anos em comparação com a quimioterapia padrão para este tipo de câncer.

A imunoterapia é uma forma de tratamento biológico que ajuda o sistema imunológico do paciente a combater as células cancerígenas. Já na quimioterapia, é o próprio medicamento que destrói as células doentes.

Segundo o estudo, que envolveu mais de 1.500 pacientes no estágio IV da doença. O novo tratamento é indicado para pacientes com câncer de pulmão avançado que não tenham mutação ou alteração no EGFR. A EGFR é uma proteína encontrada na superfície das células que promove crescimento e divisão celular. Em pacientes com câncer de pulmão, essas célula podem tem essa substância em excesso, o que faz com que elas cresçam mais rápido.

Câncer de pulmão
De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de pulmão é o segundo mais comum em homens e mulheres no Brasil. Em 85% dos casos, a doença está associada ao consumido de derivados do tabaco, como cigarro. A taxa de sobrevida em cinco anos para a doença é de 18%. Quando diagnosticado precocemente – o que raramente acontece – esse número sobre para 56%. O novo tratamento poderia melhorar esses números.

Fonte: Veja

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive