top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[NOTA] Novidades do Congresso ESMO para o Tratamento do Câncer de Mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


O estudo clínico chamado de Cleópatra testou a adição de uma medicação denominada Pertuzumabe ao tratamento padrão do câncer de mama avançado, em mulheres cujo tumor tem hiperexpressão da proteína Her2. Isto representa entre 20 e 25 por cento das mulheres com câncer metastático (e portanto incurável). 

O tratamento padrão desta doença consiste em uma associação de quimioterapia com um anticorpo que alveja Her2, o trastuzumabe, já aprovado no Brasil há muitos anos, mas ainda não oferecido no SUS para mulheres com doença avançada. Agora, comparando este tratamento padrão (trastuzumabe e quimioterapia) com o padrão associado ao Pertuzumabe, as mulheres que receberam Pertuzumabe, trastuzumabe e a quimioterapia (docetaxel) viveram 15 meses a mais que as que só tomaram o tratamento padrão.

O Pertuzumabe já está aprovado pela ANVISA no Brasil, e portanto está sendo usado na saúde suplementar. Já no SUS, exceto por algumas iniciativas institucionais raras (e louváveis) no país, de alguns poucos hospitais no pais, nem sequer o trastuzumabe esta sendo oferecido para as mulheres com doença metastática. 

A partir de agora, o tratamento padrão para câncer de mama Her2 positivo metastático passa a ser a associação de Pertuzumabe, trastuzumabe e quimioterapia, exceto em raros casos.

No SUS, temos lutar para que o governo seja capaz de negociar de maneira adequada com os fabricantes dos medicamentos, para que possamos oferecer as medicações que aumentam a vida das pacientes em bem mais que um ano. Os argumentos de que o benefício destas novas medicações era limitado são falsos. O Ministério da Saúde através da CONITEC precisa reconsiderar sua decisão anterior.




Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive