top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[NOTA] Novidades do Congresso ESMO para o Tratamento do Câncer de Mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


O estudo clínico chamado de Cleópatra testou a adição de uma medicação denominada Pertuzumabe ao tratamento padrão do câncer de mama avançado, em mulheres cujo tumor tem hiperexpressão da proteína Her2. Isto representa entre 20 e 25 por cento das mulheres com câncer metastático (e portanto incurável). 

O tratamento padrão desta doença consiste em uma associação de quimioterapia com um anticorpo que alveja Her2, o trastuzumabe, já aprovado no Brasil há muitos anos, mas ainda não oferecido no SUS para mulheres com doença avançada. Agora, comparando este tratamento padrão (trastuzumabe e quimioterapia) com o padrão associado ao Pertuzumabe, as mulheres que receberam Pertuzumabe, trastuzumabe e a quimioterapia (docetaxel) viveram 15 meses a mais que as que só tomaram o tratamento padrão.

O Pertuzumabe já está aprovado pela ANVISA no Brasil, e portanto está sendo usado na saúde suplementar. Já no SUS, exceto por algumas iniciativas institucionais raras (e louváveis) no país, de alguns poucos hospitais no pais, nem sequer o trastuzumabe esta sendo oferecido para as mulheres com doença metastática. 

A partir de agora, o tratamento padrão para câncer de mama Her2 positivo metastático passa a ser a associação de Pertuzumabe, trastuzumabe e quimioterapia, exceto em raros casos.

No SUS, temos lutar para que o governo seja capaz de negociar de maneira adequada com os fabricantes dos medicamentos, para que possamos oferecer as medicações que aumentam a vida das pacientes em bem mais que um ano. Os argumentos de que o benefício destas novas medicações era limitado são falsos. O Ministério da Saúde através da CONITEC precisa reconsiderar sua decisão anterior.




Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive