top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[NOTA] Contribuição à Consulta Pública Nº 05/14 da SAS (Secretaria de Atenção à Saúde) do Ministério da Saúde

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


"O Instituto Oncoguia considera que o PCDT foi bem escrito.  Pensando nos pacientes, louvamos o grande avanço da incorporação do Imatinibe no tratamento adjuvante (por até 3 anos no grupo de pacientes de alto risco) além do tratamento da doença metastática, inclusive com escalonamento de dose. PCDT prevê a utilização de radioterapia  como tentativa de controle local da doença (seja no sítio primário seja em sítio de metástase), mesmo sem dados de que este tratamento traga benefício em termos de sobrevida global. O Instituto Oncoguia, pensando no paciente, louva esta posição, pois mostra uma preocupação com a falta de alternativas melhores, em se tratando de pacientes com uma doença fatal. No tangente ao tratamento medicamentoso de segunda linha (após falha do Imatinibe), o PCDT desconsidera o benefício observado em termos de ganho de tempo até a progressão, e nega a incorporação da única medicação aceita internacionalmente como possível segunda linha de tratamento, o Sunitinibe. Enquanto a radioterapia para tentativa de controle local é aceita neste PCDT mesmo sabendo que não prolonga a sobrevida (e o Instituto Oncoguia entende que assim deve ser), no caso do Sunitinibe, onde o ganho de sobrevida foi descrito (embora contestados pela análise do Ministério da Saúde), o PCDT nega a incorporação. Do ponto de vista do paciente  com GIST metastático e de quem trata os pacientes, ter uma segunda opção de tratamento, embasada sim em dados científicos, é extremamente importante e defendida pelo Instituto Oncoguia. Há de se discutir a incorporação em termos de custo-efetividade. Um custo excessivo certamente poderia tornar uma segunda alternativa proibitiva em nosso meio. Sem mais para o momento, permanecemos à disposição para quaisquer esclarecimentos adicionais, Att., Luciana Holtz de Camargo Barros, Presidente do Instituto Oncoguia”.
 
Entenda esta ação

Consultas Públicas são discussões de temas relevantes, abertas à sociedade, por meio da qual um órgão decisório governamental busca subsídios para o processo de tomada de decisão. Trata-se de um instrumento de participação social que visa, sobretudo, tornar as ações governamentais mais democráticas e transparentes. A Consulta Pública deve contar com a participação, tanto de cidadãos quanto de setores especializados da sociedade, como sociedades científicas, entidades profissionais, universidades, institutos de pesquisa e representações do setor regulado, associações de pacientes, etc. 

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive