Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

No Brasil, aumenta a sobrevida de mulheres com câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 06/05/2019 - Data de atualização: 06/05/2019


Uma pesquisa mostrou resultados animadores para mulheres com câncer de mama: aumentou o índice de sobrevida mesmo em estágios mais avançados da doença.

O que já foi uma dura sentença no consultório vai tomando a forma de uma doença que pode ser encarada cada dia mais com esperança. A pesquisa do hospital paulista A.C. Camargo acompanhou mais de cinco mil mulheres em diferentes estágios de câncer de mama.

Nos casos mais graves, quando a doença se espalha da mama para outros órgãos, a possibilidade de um tratamento bem-sucedido passou de 20% para 40%. Para o tumor combatido num estágio inicial, então, as chances de sucesso alcançaram quase 100%.

Segundo a médica que coordenou o estudo, isso foi possível com uma abordagem multidisciplinar, integrando as diversas fases de tratamento e os profissionais envolvidos. Uma atenção personalizada a cada subtipo de tumor, à fase em que a doença se encontra e à qualidade de vida que se busca para cada paciente, sem descartar, naturalmente, o avanço da medicina.

“Ao longo de todo esse período, nós tivemos novas drogas, novos tipos de tratamento que, ao longo do tempo, foram sendo somados e foram sendo disponibilizados para as mulheres”, disse Fabiana Makdissi, diretora do Departamento de Mastologia do A.C. Camargo.

O câncer de mama é o tipo mais comum entre mulheres do mundo todo. No Brasil não seria diferente, são cerca de 60 mil novos casos descobertos todo ano.

Se a pesquisa traz boas notícias para o tratamento da doença, também reforça a importância do diagnóstico precoce. Segundo os médicos, toda mulher deve fazer mamografia a partir dos 40 anos de idade pelo menos uma vez por ano. Também é fundamental ter acesso a um serviço ágil para marcação de exames a fim de se descobrir a doença na sua fase inicial, aumentando a chance de cura.

A gerente de banco Fabiana Melo Serrano soube que tinha câncer de mama há dois anos e meio - o tumor já estava nos ossos. Fez quimio, rádio, hormonioterapia. O tratamento vai se adaptando ao que aparece nos exames como uma doença crônica.

“Você aceita a circunstância e aquilo te motiva, te dá força, você tem que encontrar força no que você tem e assim vai. E falo no trabalho: me tratem igual a todo mundo, não sou diferente de ninguém”.

Fonte: Jornal Nacional

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive