Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Não podemos mais esperar

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/09/2021 - Data de atualização: 03/09/2021


Passado o período crucial de enfrentamento à Covid-19, ainda que com os sobressaltos da variante Delta, a comunidade médica tem um novo desafio: a volta dos tratamentos eletivos. Os índices epidemiológicos apontam para a diminuição da curva de crescimento da doença, as taxas de ocupação de leitos caminham para a normalidade, e as consultas, exames e cirurgias estão sendo retomados. Mesmo assim, os médicos ainda precisam lidar com o medo dos pacientes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima um aumento de 30% nas mortes por câncer no planeta nos próximos dois anos devido ao represamento de consultas, exames e tratamentos - e, principalmente, pelo receio de pacientes em procurar atendimento médico.

Outros números vão na mesma direção. Dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia alertam para um acréscimo de 31,8% nas mortes em domicílio em decorrência de Acidente Vascular Cerebral (AVC), infarto e outras doenças cardiovasculares em 2020, em relação ao ano anterior. Esse índice está possivelmente ligado a fatores como acesso limitado a hospitais, redução da procura por cuidados médicos e o próprio isolamento.

Levantamentos sobre câncer também demonstram preocupação. Datasus e Oncoguia - ONG de apoio a pacientes oncológicos - revelam queda de cerca de 50% em exames citopatológicos, enquanto mamografias e biópsias diminuíram 39% entre os meses de março de 2020 e de 2021.

O problema é que, a cada ano, cerca de 700 mil brasileiros recebem o diagnóstico de câncer e 225 mil morrem por causa da doença. Em situações normais, o País já possui alta taxa de diagnóstico tardio.

Com o medo do coronavírus, a tendência é de que esse quadro se agrave. Além da conscientização sobre a importância das medidas de prevenção à Covid-19, a classe médica precisa agora se concentrar - com urgência - no retorno dos procedimentos eletivos.

Tudo, repito, em harmonia com os cuidados necessários em tempos de pandemia. Receio de contaminação em ambientes de atendimento, atrasos na realização de consultas e exames e abandono dos tratamentos podem custar muitas vidas.

Percorremos um longo caminho até aqui e não há previsão assertiva que nos assegure quando esse capítulo da humanidade será encerrado.

Mas, passo a passo, enfrentaremos os desafios. E nós, médicos, seguiremos com a missão de salvaguardar o bem-estar das pessoas, seja qual for o cenário que se impuser.

Agora é hora de retomar o ambiente de confiança, com a consciência de todos de que é essencial cuidar da saúde em sua integralidade.

Matéria publicada pela Gazeta de Alagoas em 02/09/2021.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive