Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

MS decide não incorporar medicamentos para câncer de rim

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/09/2021 - Data de atualização: 01/09/2021


No dia 30/08, foi publicada a Portaria n° 55/2021 do Ministério da Saúde com a decisão de não incorporação da combinação de medicamentos para tratamento de primeira linha de câncer de células renais, sendo que a combinação recomendada seria: axitinibe + pembrolizumabe e nivolumabe + ipilimumabe.

No relatório publicado para a sociedade, a Conitec informa que a não incorporação se deve ao alto valor que os medicamentos gerariam ao SUS no prazo de cinco anos, considerando assim que a custo-efetividade do medicamento não é viável para ser suportado pelo sistema público de saúde. De acordo com o relatório, essa incorporação geraria um custo de R$ 125 milhões em um período de cinco anos,

Na reunião da Conitec realizada em junho, a nossa presidente Luciana Holtz participou do momento da perspectiva do paciente, onde tivemos a oportunidade de apresentar uma pesquisa realizada pelo Oncoguia e dois relatos de pacientes que utilizam as tecnologias em combinação por meio de seus planos de saúde. Em ambos os casos ficou constatada a melhora da qualidade de vida dos pacientes com a interrupção do avanço da doença.

Entendemos que é essencial a incorporação de novas tecnologias que irão suscitar a atualização das diretrizes de tratamento para o câncer de rim. Em nossa contribuição enviada durante a consulta pública, reforçamos a importância da disponibilização de uma segunda linha de tratamento, visando a progressão no tratamento de pacientes do SUS. Atualmente, a diretriz para o câncer de rim disponibiliza apenas uma primeira linha de tratamento. Com isso, o paciente que não responde à primeira linha não possui efetivas alternativas, acabando muitas vezes por retornar ao seu tratamento inicial.

Conteúdo produzido pela equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive