top
Especial

Prevenção

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Mitos e Verdades sobre o Câncer Colorretal

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/02/2013 - Data de atualização: 20/03/2016


Apesar de ser um dos cânceres mais preveníveis e curáveis, ainda é um dos 5 tipos mais comuns entre homens e mulheres, e uma das principais causas de morte por câncer. Muitos fatores contribuem para isso, mas um dos maiores obstáculos é superar os mitos e preconceitos que impedem as pessoas de irem ao médico e realizarem exames de prevenção e detecção precoce da doença.

Infelizmente, ainda hoje, a desinformação, o preconceito ou mesmo alguns tabus relacionados ao câncer são fatores impeditivos para um autocuidado em saúde adequado.

O câncer colorretal é uma doença de homens.

Mito - O câncer colorretal é uma doença que pode atingir tanto mulheres quanto homens. Cada ano, mais de 30.000 pessoas de ambos os sexos são diagnosticadas com câncer colorretal e hoje já é o segundo tipo de câncer mais frequente nas mulheres.

O câncer colorretal não pode ser prevenido.

Mito – Este tipo de câncer pode sim ser prevenido. O câncer colorretal quase sempre se origina a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso. Uma maneira de prevenir o aparecimento desses tumores é a detecção precoce com a retirada dos pólipos antes de se tornarem malignos. Os exames de rastreamento para diagnosticar a presença de pólipos incluem: enema opaco, sigmoidoscopia, colonoscopia e colonoscopia virtual.

Pessoas de raça negra tem maior risco para câncer colorretal.

Verdade - Homens e mulheres negras são diagnosticados com câncer colorretal e podem morrer pela doença, em maior proporção que pessoas de outras raças ou grupos étnicos. No obstante, a razão disso ainda é desconhecida.

A idade não importa quando se trata de desenvolver câncer colorretal.

Mito - Por enquanto a idade importa, mais de 90% dos casos de câncer colorretal são diagnosticados em pessoas com mais de 50 anos de idade. Alguns fatores aumentam o risco de desenvolver a doença, como idade acima de 50 anos, histórico familiar da doença, história pessoal de câncer (já ter tido câncer de ovário, útero ou mama), além de obesidade e sedentarismo. Se for o caso, converse com o médico para saber quando o rastreamento deve ser iniciado.

O câncer colorretal só afeta pessoas com mais de 50 anos.

Mito - Embora a maioria dos casos de câncer colorretal seja diagnosticada em pessoas com mais de 50 anos, a doença pode afetar pessoas de qualquer idade, especialmente aquelas com um histórico familiar de câncer colorretal, múltiplos fatores de risco ou aquelas que têm mutações genéticas específicas. Se o seu histórico médico mostra que você pode ter um risco aumentado para câncer colorretal ou se você está apresentando sinais e sintomas da doença, procure um médico para realizar o diagnóstico independente da sua idade.

É melhor não fazer rastreamento para câncer colorretal, porque de qualquer maneira é uma doença que mata.

Mito - O câncer colorretal é, na maioria das vezes, curável, quando diagnosticado precocemente, e ainda não se disseminou para outros órgãos. Mas, devido ao fato da muitas pessoas não realizarem exames de rastreamento, apenas 40% são diagnosticadas em estágio inicial quando o tratamento tem mais chances de ser bem sucedido.

O câncer colorretal é uma doença que se dissemina rapidamente.

Mito - Não, a maioria das formas de câncer colorretal é de crescimento lento e até 95% dos casos são curáveis se detectados precocemente.

Não ter nenhum sintoma, significa não ter a doença.

Mito - Durante os primeiros estágios, a maioria das pessoas com câncer colorretal não apresenta sintomas. Alguns sintomas da doença, como alterações nas fezes, sangramento, dor abdominal ou perda de peso sem explicação, aparecem quando a doença já está em um estágio mais avançado, o que pode representar que o tratamento não seja mais tão efetivo.

A colonoscopia é um procedimento doloroso e constrangedor.

Mito – Embora possa causar incômodos a colonoscopia não é tão desagradável quanto a maioria das pessoas acredita. O procedimento dura de 15 a 30 minutos e o paciente é sedado para evitar qualquer desconforto.

O preparo para a colonoscopia pode ser difícil.

Verdade - O preparo necessário para o esvaziamento do cólon para a colonoscopia pode ser incomodo, mas existem várias opções que seu médico pode sugerir para tornar o processo tolerável. Um pouco de desconforto é pouco frente à possibilidade de ter um câncer colorretal diagnosticado precocemente.

A colonoscopia é a única forma de diagnosticar o câncer colorretal.

Verdade - A colonoscopia é considerada um exame padrão no rastreamento do câncer colorretal. Durante o procedimento, todo o cólon é examinado e se existirem pólipos serão retirados. No entanto, existem outros exames alternativos como a colonoscopia virtual, sigmoidoscopia flexível e exames de sangue oculto nas fezes. No entanto, a visão direta de lesões e a coleta de material de biópsia são muito importantes para o diagnóstico.

Ter um pólipo significa ter câncer colorretal.

Mito - Os pólipos podem ser benignos ou pré-cancerígenos, e em alguns casos, se não forem retirados eles podem se tornar um câncer. Portanto, não significa que ter um pólipo é sinônimo de câncer colorretal.

Ter câncer colorretal, implica em usar uma bolsa de colostomia.

Mito – Atualmente, com o avanço das técnicas cirúrgicas e das opções de tratamento, as colostomias não são uma opção frequente e quando necessárias, são muitas vezes temporárias.

Eu vi o que acontece com alguém com câncer colorretal, o mesmo pode acontecer comigo.

Relativo - A experiência de cada pessoa é diferente e ter câncer colorretal atualmente não é o mesmo que ter a doença há 5, 10 ou 20 anos atrás, grandes avanços têm sido feitos tanto no diagnóstico quanto no tratamento da doença. A maioria das doenças diagnosticadas precocemente é curável. Técnicas cirúrgicas minimamente invasivas, radioterapia direcionada ao volume alvo, novos tratamentos quimioterápicos, terapias alvo, e novas pesquisas têm contribuído para um tratamento do câncer, menos traumático e mais eficiente, mesmo para pacientes em estágios avançados da doença.

Posso tomar atitudes que reduzam o risco de ter  câncer colorretal.

Verdade - Você pode sim fazer muita coisa para reduzir o seu risco. Alguns fatores como o histórico familiar estão fora do seu controle. Mas, é estimado que cerca de 50 a 75% dos casos de câncer colorretal podem ser prevenidos apenas adquirindo um estilo de vida saudável. Ter uma dieta rica em frutas, vegetais e grãos integrais, reduzindo a ingestão de carnes vermelhas e processadas; mantendo um peso saudável; não fumar; ingerir bebidas alcoólicas com moderação; e, praticar exercícios físicos regularmente pode reduzir suas chances de ter câncer colorretal.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive