Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Mesmo com alta mortalidade, câncer de fígado ainda é desconhecido por brasileiros

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/03/2018 - Data de atualização: 27/03/2018


Dos milhares de brasileiros diagnosticados com câncer de fígado todo ano, 80% descobrem a doença tardiamente, quando as chances de cura são poucas ou nulas. A informação é alarmante e veio a público por meio da iniciativa "Carcinoma hepatocelular: barreiras de acesso ao diagnóstico e tratamento", fruto de uma parceria entre o Instituto Oncoguia, a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), a Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH), o Instituto Vencer o Câncer e o movimento Todos Juntos Contra o Câncer (TJCC), com o apoio da Bayer.

De acordo com o documento, entre 2011 e 2015 o câncer de fígado matou pelo menos 44 mil no país. Apesar do alto índice de mortalidade, a doença ainda é desconhecida por boa parte dos brasileiros. Para entender como a população a percebe, foram ouvidas 1.500 pessoas, com idade entre 18 a 65 anos, em cinco capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife e Porto Alegre). Apesar de 53% dos entrevistados afirmarem ter conhecimento sobre a doença, 61% deles não sabem quais são os principais sintomas e 59% desconhecem os fatores de risco.

A pesquisa revela ainda que 76% dos entrevistados consideram o consumo excessivo de álcool como uma das causas do câncer de fígado, o que é uma verdade. No entanto, 56% não o relacionam com a doença e desconhecem outros fatores de risco, como a Hepatite B e a Hepatite C.

Diagnóstico

O diagnóstico é dúvida para metade dos entrevistados, que disse não saber como é realizado – somente 20% deles acertaram, dizendo que os exames de imagem são o principal meio para descobrir as lesões no órgão. Pelo menos um a cada três entrevistados conhece alguém com a doença, mas 44% não sabem sobre a existência de tratamentos disponíveis. 

"Estes dados nos mostram que a população precisa ter mais acesso à informação sobre o que é o câncer de fígado, como é feito o diagnóstico e quais são as opções de tratamento. Vemos que a maioria dos tumores é descoberta depois do avanço da doença e isso tem impacto direto no uso das terapias e na sobrevida dos pacientes”, ressaltou Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia.

Há opções de tratamento para os diferentes estágios da doença, mas, quanto mais cedo for feito o diagnóstico, será possível chegar a procedimentos potencialmente curativos - como a ressecção cirúrgica e transplante de fígado – ou a procedimentos que auxiliam na regressão do tumor – injeção percutânea de etanol e ablação por radiofrequência. Para os casos mais avançados, com a avaliação médica, podem ser usados quimioembolização, quimioterapias e tratamentos paliativos.

Saiba mais no especial do Portal Oncoguia sobre o câncer de fígado. Mais informações sobre a pesquisa estão disponíveis na seção Conhecer para Apoiar e no documento Carcinoma hepatocelular: barreiras de acesso ao diagnóstico e tratamento no cenário brasileiro atual.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive